Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

ESA explora cavernas com um drone mapeador enquanto treina astronauta

ESA testa drone “bate-bate” para mapear cavernas e treina astronauta durante expedição espeleológica na Sicília

O astronauta Luca Parmitano no fim de semana passado ajudou a explorar as cavernas sob a Sicília usando um drone que deliberadamente batia em seus arredores, a fim de construir um mapa do local.

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) vem testando equipamentos, técnicas e métodos de trabalho para missões com astronautas no espaço interior por muitos anos. Explorar a Terra e explorar as cavernas muitas vezes oferecem paralelos à exploração do espaço exterior, tais como a falta de luz solar para trabalhar em espaços apertados e a confiança em equipamentos de segurança.

Continua depois da publicidade

Uma extensão do curso “Valorização e Exercício por meio de Aventura Cooperativa” (CAVES – Cooperative Adventure for Valuing and Exercising) da ESA, com o objetivo de aprimorar o comportamento e habilidade humanos, esta expedição CAVES-X1 permitiu que Luca se juntasse a uma expedição científica organizada pela Associação La Venta e pela Commissione Grotte Eugenio Boegan nas cavernas de La Cucchiara, perto de Sciacca, na Sicília, Itália.

Considerando que tais atividades são organizadas especificamente para a formação de astronautas, o organizador do curso Loredana Bessone diz: “Agora queremos que os astronautas participem de explorações e expedições geológicas científicas — a exploração científica não é mais real do que isso”.

A equipe chegou em 19 de maio e passou dois dias explorando a área, que inclui um abismo de 100 m de profundidade. Como esta caverna chega a 37 °C, os exploradores também experimentaram coletes de resfriamento — outra semelhança com os astronautas em trajes espaciais.

Continua depois da publicidade

Drone resistente

Luca coletou amostras geológicas e tentou uma nova maneira de sondar espaços difíceis de alcançar: o drone Flyability, que deliberadamente bate em paredes para aprender a navegar e a mapear áreas apertadas que são muito perigosas para os seres humanos.

Astronauta Luca Parmitano (ESA) coletando amostras durante treinamento em caverna na Sicília, Itália.

Astronauta Luca Parmitano (ESA) coletando amostras durante treinamento em caverna na Sicília, Itália.

O coordenador do curso pela ESA, Francesco Sauro, um “caver” e geólogo de campo experiente, observa: “O drone usou sua câmera térmica para mapear como a caverna se estendia ao longo do caminho até uma área inexplorada com água, impossível de alcançar para os seres humanos. Esses testes nos ajudarão a entender quais tecnologias podem ser usadas na exploração futura dos tubos de lava em Marte, por exemplo.”

A estratégia da ESA vê humanos e robôs trabalhando em conjunto para explorar e construir assentamentos em corpos planetários, bem como melhorar a nossa compreensão de nossas origens e as origens da vida em nosso Sistema Solar.

Continua depois da publicidade

A curta expedição termina hoje com uma conferência sobre o uso de novas tecnologias na exploração subterrânea e investigação científica de ambientes extremos na Universidade de Palermo, na Sicília.

Uma palestra de Luca no centro de astronautas da ESA sobre a preparação de astronautas para a exploração espacial pode ser vista abaixo (em inglês).

Continua depois da publicidade

Fonte: European Space Agency -ESA. Leia o artigo original aqui.

Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.