HomeCategoryArquivos Biologia - Socientífica

https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Monstro-marinho-3.jpg?resize=1280%2C700&ssl=1

No mês passado uma empresa buscava pedras preciosas, mas acabou encontrando algo muito mais surpreendente. No lugar de pedras brilhantes eles acabaram encontrando o fóssil quase completo de um réptil marinho que viveu há 70 milhões de anos. A criatura conhecida como mosassauro é do gênero Tylosaurus e media entre 6 e 7 metros, foi encontrada em Alberta, no Canadá. LEIA TAMBÉM: Antigas criaturas da terra estão despertando após 40.000 anos em permafrost. O fóssil...

https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/som.jpg?resize=1024%2C415&ssl=1

Se parar pra imaginar qual seria o som mais alto do oceano, você provavelmente vai esperar gritos ensurdecedores ou enormes estrondo, mas já adianto que não é bem assim. O biólogo marinho Ryutaro Goto, da Universidade de Kyoto, e seus colegas mediram os sons produzidos por esses poliquetos,  que chegaram a impressionantes 157 decibéis. Para se ter uma ideia, ao atingir cerca de 130 decibéis os sons podem se tornar dolorosos e prejudiciais aos nossos...

https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/photo.jpg?resize=395%2C203&ssl=1

BiologiaExame de DNA revela captura de peixes ameaçados de extinção

6 dias atrásRaia-viola (Pseudobatos horkelii) / foto: Bruno Ferrette

Com baixo valor comercial, as raias são frequentemente capturadas em grande quantidade ao ficarem presas, acidentalmente, nas redes de pescadores que buscam outras espécies mais valorizadas. Embora involuntária, um novo estudo indica o impacto da pesca de raias na biodiversidade marinha. Análises genéticas de 228 raias capturadas por pescadores artesanais e por pequenos barcos industriais no Sudeste do Brasil entre 2012 e 2018 mostram que 101 faziam parte de lista de espécies globalmente ameaçadas de...

https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/moss_antarctic_cover_1024.jpg?resize=1024%2C415&ssl=1

BiologiaAntigas formas de vidas da Terra estão despertando após 40.000 anos em permafrost

1 semana atrásUma amostra do musgo reavivado. (P. Boelen / BAS)

Há aproximadamente 400 anos houve uma grande onda de frio que assolou todo o globo terrestre. O gelo atingiu a ilha de Ellesmere no Canadá, e congelou um tufo de musgo. Desde aquela época a planta ficou congelada em uma camada de gelo de 30 centímetros na geleira de teardrop. A bióloga evolucionista Catherine La Farge chegou séculos depois, no derretimento da teardrop, para enfim  encontrar um tufo da espécie Aulacomnium turgidum já livre de...

https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/embryoid_model_gastrula_1024.jpg?resize=1024%2C415&ssl=1

BiologiaUm embrião humano feito em laboratório revelou algo verdadeiramente mágico

2 semanas atrásCrédito: Mijo Simunovic/Rockefeller University

Pouco depois da concepção seu corpo passou por várias mudanças, você cresceu com uma extremidade superior e uma inferior. Mas ninguém nunca soube explicar como exatamente as células fazem isso – até hoje. Pesquisadores da Universidade Rockefeller organizaram um grupo de células-tronco pra agir de forma semelhante a um embrião humano comum. Eles puderam ter uma ideia melhor de como funciona a bioquímica do desenvolvimento humano. O embrião humano de 10 dias foi capaz de...

https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/062419_TI_zombie-cicada_feat.jpg?resize=1280%2C685&ssl=1

BiologiaMistério da cigarra zumbi é resolvido por pesquisadores de fungos que descobrem alucinógenos

2 semanas atrásO fungo que infecta a cigarra "Massospora cicadina" produz uma anfetamina chamada catinona, que estimula as cigarras a se acasalarem e espalhar esporos fúngicos. Outras espécies do fungo produzem psilocibina, mais freqüentemente encontradas em cogumelos alucinógenos. (Foto: Matthew Kasson da West Virginia University)

Cientistas descobrem substâncias alucinógenas de fungo que está transformando cigarras em viciadas em sexo.

https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Tubarão-branco.jpg?resize=1024%2C415&ssl=1

Já sabemos que orcas são predadores impressionantes, mas evidências mostram que elas podem até espantar as feras mais temidas do mar. Uma equipe de pesquisadores percebeu que tubarões brancos se tornam incrivelmente escassos sempre que detectam a presença das orcas. LEIA TAMBÉM: Fóssil de ave três vezes maior que avestruz é descoberto na Europa. “Quando confrontados por orcas, os tubarões-brancos vão desocupar o local de caça preferido e não retornarão por até um ano, mesmo que...