HomeCategoryArquivos Bioengenharia - Socientífica

https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/05/Imagem-1-bactérias.jpg?resize=860%2C460&ssl=1

BioengenhariaComo bactérias quase mortas por antibióticos podem se recuperar – e de quebra ganhar resistência

2 meses atrás A bactéria E. coli pode tornar-se resistente ao antibiótico tetraciclina produzindo uma proteína que bombeia o medicamento para fora de uma célula bacteriana. Aqui, bactérias resistentes que fazem a proteína da bomba brilhar em vermelho, enquanto as bactérias que não produzem a bomba (verde) são preenchidas com o antibiótico.

Uma proteína que bombeia produtos químicos tóxicos de células bacterianas de E. coli pode ganhar tempo até que micróbios quase mortos se tornem resistentes a antibióticos. A proteína, conhecida como bomba de fluxo de múltiplas drogas AcrAB-TolC, não funciona bem o suficiente para derrotar os antibióticos. Mas pode eliminar moléculas antibióticas em quantidade suficiente para permitir a produção de proteínas de resistência real em células bacterianas, relatam pesquisadores na revista Science em 24 de maio....

https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/04/EscherichiaColi_NIAID.jpg?resize=1024%2C720&ssl=1

BioengenhariaBiologiaGenéticaComunicação de bactérias

1 ano atrásEscherichia coli
Credito: Rocky Mountain Laboratories, NIAID, NIH

A crescente ameaça que as bactérias representam, certamente lhes confere algum crédito por sua esperteza. Infecções provocadas por Staphylococcus aureus resistente a drogas matam 19 mil americanos a mais, por ano, que as vítimas de HIV/Aids. Cepas resistentes a antibióticos surgiram há 60 anos e, desde então, cientistas vêm lutando para desenvolver uma segunda geração de medicamentos que atacam não as bactérias — o que promove a resistência —, mas sua comunicação intracelular. O progresso até agora tem...

https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/04/brain-spine-interface-1.jpg?resize=1280%2C720&ssl=1

Eletrodos implantados no cérebro e na coluna ajudaram macacos paralisados ​​a andar. Os neurologistas por trás do estudo relataram que os implantes restauraram a função nas pernas dos primatas quase que instantaneamente. As descobertas estão detalhadas na Nature.  A medula espinhal do macaco foi parcialmente cortada, impossibilitando as pernas de se comunicarem com o cérebro. Para consertar a interface cérebro-coluna foram colocados eletrodos em partes fundamentais do corpo do macaco. Implantes foram colocados dentro do cérebro dele na parte que...