Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

China lança com sucesso Shenzhou-11

A China lançou com sucesso a nave espacial Shenzhou-11, do deserto de Gobi, a partir de um foguete Longa Marcha 2F no último domingo 16 (segunda-feira na China).

A decolagem aconteceu conforme o planejado, às 21h30 (de Brasília) deste domingo (16), a partir do centro espacial de Jiuquan, no deserto de Gobi. O lançamento foi transmitido pela ao vivo CCTV, uma rede de TV chinesa. Cerca de dez minutos depois do lançamento, a cápsula com os astronautas já estava em órbita.

shenzhou11-16out2016

Foto do lançamento da Shenzhou-11 em 16/10/2016 a bordo de um foguete Long March 2F rumo à estação orbital chinesa Tiangong 2

Em 48 horas a espaçonave chinesa Shenzhou-11 encontrará com o laboratório orbital Tiangong-2 (“palácio celestial” em chinês) e lá ficará com os dois astronautas por mais 30 dias, de acordo com o planejado, antes de regressar a terra.

shenzhou-11-750x461

A espaçonave chinesa Shenzhou-11 parte de Jiuquan Satellite Launch Center (deserto de Gobi), na remota província de Gansu

Ficarão a bordo do laboratório orbital Tiangog-2 Jing Haipeng, comandante da missão, e Chen Dong, onde realizarão experimentos médicos e científicos. Jing Haipeng é experiente e esta é a sua terceira missão espacial. Ele esteve a bordo das missões Shenzhou-7, em 2008, e Shenzhou-9, em 2012. Já o taiconauta Chen Dong faz sua primeira viagem espacial.

“O sonho de todo astronauta é tentar executar várias missões espaciais “, disse Jing, que celebrará os seus cinquenta anos a bordo do laboratório orbital Tiangong-2.

Continua depois da publicidade
shenzhou11-jing-haipeng-e-chen-dong

Os taiconautas Jing Haipeng, comandante da missão, e Chen Dong em coletiva de imprensa a poucas horas antes do lançamento da Shenzhou-11. Eles desembarcam no próximo dia 18 de outubro (dia 19 na China) no laboratório espacial Tiangong 2, onde ficarão por um mês.

 

“Esta missão é caracterizada por sua duração mais longa e com mais testes”, disse o astronauta Chen Dong a repórteres em uma entrevista. “Vamos concentrar em melhorar a nossa capacidade de lidar com situações de emergência em órbita, primeiros socorros, habilidade de socorro mútuo e experimentos espaciais.”

foreign201610171634000417758259881

Simulação da acoplagem do módulo Shenzhou-11 na estação orbital Tiangong-2

A exploração espacial chinesa

A China realizou sua primeira missão espacial tripulada em 2003, quando se tornou o terceiro país do mundo a desenvolver essa tecnologia, atrás apenas da Rússia (1961) e dos EUA (1962). Em 2011, lançou Tiangong-1, que foi retada de órbita em março último após estender por dois anos sua missão. Em 2013, o programa espacial chinês enviou à Lua o veículo explorador lunar Yutu e a sonda lunar Chang’e-3, que estudaram a estrutura geológica e pesquisaram a superfície lunar em busca de recursos naturais no planeta.

image_3532_1e-yutu-rover

O rover lunar chinês Yutu, fotografado por sua sonda Chang’e-3, depois de a sonda pousar no Mare Imbrium, uma planície lunar. Crédito da imagem: CNAS / CLEP.

O futuro do programa espacial chinês

A missão Shenzhou-11 é um passo adiante nos planos da China de estabelecer uma estação espacial permanente tripulada até 2022. O presidente Xi Jinping pretende fazer de seu país uma potência espacial, e para tal a China tem investido consideráveis recursos nos setor aeroespacial. A conquista espacial, coordenada pelo Estado-Maior militar, é considerada na China um símbolo da força do país. Pequim investe bilhões de dólares nos programas espaciais para tentar chegar ao mesmo nível dos Estados Unidos, Europa e Rússia.

Continua depois da publicidade

O programa espacial da China inclui ainda uma missão não tripulada rumo a Marte – o governo chinês espera que isso aconteça até 2020. E o objetivo de longo prazo do programa é a criação de uma estação espacial multimodular chinesa. Ela deve começar a ser construída em órbita em 2018, que é quando a China planeja lançar o módulo central da sua estação espacial,  para estar concluída no início da década de 2020.

As estações espaciais

Nesse intuito de lançar sua própria estação orbital, a China propôs um acordo de cooperação espacial com a Rússia, principalmente em relação à construção da estação espacial chinesa, conforme anunciou neste domingo(16) o vice-diretor do escritório de engenharia espacial tripulada da China, Wu Ping. Uma estação espacial  funciona como laboratório espacial, servindo de importante base para pesquisas científicas em diversas áreas.

Continua depois da publicidade

“Desde o início do nosso programa espacial tripulado, lançamos mais de 20 projetos de cooperação com a agência espacial russa e alcançamos resultados construtivos. No futuro, durante a construção da estação espacial, esperamos aprofundar a cooperação e as trocas com a Rússia na escolha e no treinamento dos cosmonautas, na condução de experimentos científicos, etc.”, declarou Wu Ping em coletiva de imprensa.

the-international-space-station

A Estação Espacial Internacional, fruto de um acordo de cooperação entre Canadá, EUA, Japão, Rússia e Estados-membros da Agência Espacial Europeia, já conta com quinze anos de uso.

A Estação Espacial Internacional (ISS) completará dezesseis anos de operação no dia dois de novembro deste ano. A construção da estação espacial atualmente em operação começou em 1998 como uma empreitada conjunta de Canadá, EUA, Japão, Rússia e Estados-membros da Agência Espacial Europeia. A história tripulada da ISS teve início no dia 2 de novembro de 2000, quando a Soyuz TM-31 se acoplou ao laboratório orbital com seus primeiros três inquilinos, os cosmonautas russos Yuri Gidzenko e Serguei Krikalev, e o astronauta americano William Shepherd.

Para que a ISS continue operante para além de 2020, que é quando o compromisso conjunto expira,  todos os participantes do acordo internacional de construção e manutenção da ISS terão de consentir com a continuidade das atividades para que ela tenha sua vida útil estendida por mais quatros anos, embora muitos engenheiros acreditam que a estação poderá funcionar de forma segura ao menos até 2028. A Alemanha, maior contribuinte europeia ao projeto, certamente tem interesse em que a plataforma já em órbita – que custou US$ 100 bilhões – opere por muito tempo.

Caso a vida útil da ISS não seja ampliada até 2024, o que é pouco provável no momento já que o governo dos EUA já deu sinal verde à Nasa para aumentar o tempo de uso da ISS e outros países demonstraram o mesmo interesse, o governo chinês já terá, de acordo com o planejado, construído sua própria estação espacial.

Continua depois da publicidade
Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.