FísicaFísicos identificaram um metal que conduz eletricidade, mas não calor

Essa propriedade não apenas muda o que compreendemos sobre condutores, como também pode ser incrivelmente útil.
Milena Elísios1 semana atrás(Imagem: Karl-Ludwig Poggemann/Flickr, CC BY 2.0)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Metal-1280x519.jpg

Um metal que foi descoberto em 2017, contradiz a Lei Wiedemann-Franz, que diz que bons condutores de eletricidade também serão proporcionalmente bons condutores de calor, razão pela qual os motores e eletrodomésticos ficam tão quentes quando você os usa regularmente.

Mas acontece que uma equipe de pesquisadores nos EUA mostrou que este não é o caso do dióxido de vanádio metálico (VO2) – um material que já é bem conhecido por sua estranha capacidade de mudar de um isolante transparente para um metal condutor à temperatura de 67 graus Celsius.

Essa propriedade não apenas muda o que compreendemos sobre condutores, como também pode ser incrivelmente útil. Esse metal poderá um dia ser usado para converter o calor desperdiçado de motores e eletrodomésticos de volta em eletricidade, ou mesmo criar melhores revestimentos de janelas que mantêm os edifícios frescos.

Curiosamente, quando os pesquisadores misturaram o dióxido de vanádio com outros materiais, eles puderam ‘sintonizar’ a quantidade de eletricidade e calor que ele poderia conduzir. Por exemplo, quando os pesquisadores adicionaram o metal tungstênio ao dióxido de vanádio, eles baixaram a temperatura na qual o material se tornou metálico, e também o tornaram um melhor condutor de calor.

Isso significa que o dióxido de vanádio pode ajudar a dissipar o calor de um sistema, conduzindo o calor apenas quando atinge uma determinada temperatura. Antes disso ele seria um isolante.

O dióxido de vanádio também tem a capacidade única de ser transparente a cerca de 30 graus Celsius, mas passa refletir a luz infravermelha acima de 60 graus Celsius, mantendo-se transparente à luz visível.

Isso significa que ele pode até mesmo ser usado como um revestimento de janela que reduz a temperatura sem a necessidade de ar condicionado.

É muito empolgante que agora saibamos sobre a existência dessas propriedades. Mas muito mais pesquisa precisa ser feita sobre este material intrigante antes que ele possa ser comercializado.

A pesquisa foi publicada na revista Science em 2017.

FONTE / Science Alert

Posts relacionados