NaturezaPela primeira vez, cientistas mediram a frequência cardíaca de uma baleia azul

A medição sugere que os corações das baleias azuis estão operando em extremos - e pode limitar o tamanho da baleia.
Milena Elísios1 semana atrásAs baleias azuis são os maiores animais que já viveram na Terra. (Imagem: © QAI Publishing / Universal Images Group via Getty Images)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Baleia-azul-2-scaled.jpg

Após colocar um monitor de pulso na parte traseira de uma baleia azul na costa da Califórnia, os pesquisadores observaram a gigantesca baleia desaparecer e depois ressurgir ressurgir sem parar por quase 9 horas, enchendo alternadamente seus pulmões com ar e barriga com cardumes de peixes saborosos.

Durante esses mergulhos profundos, em busca de alimento, a freqüência cardíaca da baleia balançava violentamente, bombeando 34 vezes por minuto na superfície e apenas duas batidas por minuto nas profundezas mais do oceano – cerca de 30% a 50% mais lenta do que o esperado pelo grupo de pesquisadores.

As baleias azuis são os maiores animais já conhecidos por terem vivido na Terra. Como adultos, as baleias azuis podem medir mais de 30 metros de comprimento. E claro, é preciso um grande coração para alimentar uma criatura desse tamanho: após dissecar uma baleia azul que foi encontrada encalhada, já morta, na costa do Canadá em 2015, os pesquisadores descobriram que seu coração pesava cerca de 180 quilogramas.

O coração da baleia azul, juntamente com o esqueleto do animal de onde veio, acabará por ser exibido no museu (Crédito: Jacqueline Miller)

Os pesquisadores já sabiam que o pulso de uma baleia azul deve diminuir em profundidade. Quando os mamíferos que respiram ar, e mergulham debaixo d’água, seus corpos automaticamente começam a redistribuir o oxigênio; corações e cérebros recebem mais O2, enquanto músculos, pele e outros órgãos recebem menos. Isso permite que os animais permaneçam debaixo d’água por mais tempo com uma única respiração e resulta em uma freqüência cardíaca significativamente menor do que o normal.

Para descobrir qual exatamente é a freqüência cardíaca de uma baleia azul durante um mergulho, os autores do estudo seguiram um grupo de baleias que haviam estudado anteriormente em Monterey Bay, Califórnia, e marcaram uma com um sensor especial montado na extremidade de um poste de 6 m de comprimento. A baleia foi um macho avistado pela primeira vez há 15 anos. O sensor era uma concha plástica, do tamanho de uma lancheira, equipada com quatro ventosas, duas das quais continham eletrodos para medir o batimento cardíaco da baleia.

Os pesquisadores marcaram a baleia com o sensor em sua primeira tentativa, e lá ele permaneceu por 8,5 horas enquanto a baleia mergulhava e reaparecia em dezenas de missões de busca de alimentos. A maior parte desse tempo foi passada debaixo d’água: O mergulho mais longo da baleia durou 16,5 minutos e atingiu uma profundidade máxima de 184 metros, enquanto a baleia nunca passou mais de 4 minutos na superfície para recarregar seus pulmões.

O sensor mostrou que, nas profundidades mais baixas de cada mergulho, o coração da baleia estava batendo uma média de quatro a oito vezes por minuto, com um mínimo de apenas dois batimentos por minuto. Entre esses batimentos baixos, a artéria aórtica elástica da baleia contraiu-se lentamente para manter o sangue oxigenado movendo-se lentamente através do corpo do animal, escreveram os pesquisadores.

De volta à superfície, a freqüência cardíaca da baleia acelerou para 25 a 37 batimentos por minuto, rapidamente carregando a corrente sanguínea do animal com oxigênio suficiente para suportar o próximo mergulho profundo. Durante essas paradas rápidas de reabastecimento, o coração da baleia estava trabalhando perto de seus limites físicos, escreveram os autores do estudo.

Este limite cardíaco natural pode explicar porque é que as baleias azuis atingem um determinado tamanho e porque é que nunca houve animais conhecidos na Terra tão grandes. Como uma criatura maior exigiria ainda mais oxigênio para sustentar seus longos e profundos mergulhos para se sustentar, seu coração precisaria bater ainda mais rápido que o de uma baleia azul para reabastecer seu corpo com oxigênio na superfície.

FONTE / Live Science