História & HumanidadeEstranhos “dragões” triássicos tinham cabeças enormes

Há milhares de anos atrás, antes dos dinossauros, répteis semelhantes a dragões de Komodo com cabeças absurdamente enormes percorriam o planeta.
Milena Elísios2 semanas atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Repteis-scaled.jpg

Há milhares de anos atrás, antes dos dinossauros, predadores semelhantes a dragões de Komodo com cabeças absurdamente enormes percorriam o planeta. E descobriu-se que esses répteis, conhecidos como eritrosuchids podem ter evoluído suas enormes cabeças à medida que se tornaram “hipercarnívoros”.

Com suas poderosas mandíbulas e dentes super afiados, eles provavelmente estavam no topo da cadeia alimentar em seus ecossistemas, explicou o autor principal do estudo Richard Butler, professor de paleobiologia da Escola de Geografia, Ciências da Terra e do Meio Ambiente da Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

LEIA TAMBÉM: Um fóssil gigante de réptil foi encontrado na Antártida

De fato, as cabeças dos eritrosuclídeos eram proporcionalmente muito maiores do que a relação cabeça-corpo dos maiores dinossauros carnívoros conhecidos.

Os eritrosquidos de cabeça grande viveram entre 250 milhões e 238 milhões de anos atrás, durante a primeira parte do período triássico (251 milhões e 199 milhões de anos atrás).

Os cientistas compararam os dados sobre o comprimento da cabeça e do fêmur nos eritrosuclídeos com as medições de outros animais de quatro ramificações, vivos e extintos. As suas descobertas confirmaram que as cabeças maciças dos eritrosuclídeos eram, de facto, proporcionalmente maiores do que as de qualquer réptil. Esta característica provavelmente evoluiu à medida que o grupo se adaptou para preencher nichos ecológicos como hipercarnívoros – animais que comem apenas carne.

Com crânios tão grandes, as mandíbulas e os dentes dos eritrosuclídeos teriam tido um alcance maior do que seus concorrentes de cabeça menor, e músculos maiores poderiam ter-lhes emprestado uma mordida mais poderosa.

LEIA TAMBÉM: Crocodilo de água salgada cria “estratégia” para caçar tubarão; veja vídeo

E embora permaneçam dúvidas sobre como esses antigos “dragões” usavam suas mandíbulas, uma coisa é certa: Suas cabeças não eram tão pesadas quanto pareciam. Os crânios deste grupo de répteis estavam cheios de bolsas de ar, o que os tornava relativamente leves. E em qualquer caso, eles teriam sido sustentados pelo músculos robustos do pescoço.

Os resultados foram publicados na revista Royal Society Open Science.

FONTE / Live Science

Posts relacionados