Saúde & Bem-EstarAnimação suspensa induzida em humanos pela primeira vez

O resfriamento rápido de pacientes poderia dar aos cirurgiões mais tempo para reparar lesões traumáticas.
Milena Elísios3 semanas atrásImagem ilustrativa.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Animação-suspensa-1280x672.jpg

Cirurgiões da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland colocaram um paciente humano em “animação suspensa” pela primeira vez, de acordo com um relatório da New Scientist. O procedimento tem como objetivo prolongar o tempo que os cirurgiões têm para corrigir lesões traumáticas, diminuindo deliberadamente a temperatura corporal dos pacientes.

O ensaio de Preservação e Reanimação de Emergência (EPR) para Parada Cardíaca por Trauma (EPR-CAT) está em andamento desde 2010 e pretende resfriar rapidamente o corpo de pacientes que apresentam um trauma extremo. O prognóstico para este tipo de trauma é sombrio: Devido à rápida perda de sangue, estes pacientes entram em parada cardíaca. Com o coração parado, há apenas alguns minutos para os cirurgiões estancarem o sangramento e fazer o coração bombear novamente antes que os danos ocorram. As chances de sobrevivência estão entre 2 e 5%.

LEIA TAMBÉM: Neuralink de Elon Musk conectou cérebro de macaco a um computador

Mesmo que os pacientes sobrevivam, a falta de oxigênio causada pelas lesões pode resultar em danos permanentes ao cérebro.

O objetivo do estudo clínico é alterar a temperatura do corpo em cerca de 27 graus Celsius, caindo abaixo de 10 graus Celsius com uma solução salina gelada. O objetivo é que a hipotermia induzida coloque o corpo em uma espécie de modo hibernação. Como os processos metabólicos desaceleram, nossas células não precisam de tanto oxigênio e assim o dano celular é prevenido. Quando as feridas são reparadas, o sistema pode ser reinicializado, sem grandes sequelas ao paciente.

Há uma boa razão científica para acreditar que o resfriamento rápido pode alcançar essas façanhas milagrosas.

O New York Times relatou um estudo semelhante em cães em dezembro de 2005. Depois de ter seu sangue drenado e entrar em parada cardíaca, os cães foram bombeados cheios de uma solução salina fresca. Clinicamente, os médicos diriam que os cães estavam mortos, mas após três horas, a solução salina foi substituída por sangue e os cães foram aquecidos. Eles sobreviveram. É importante ressaltar que eles não pareciam sofrer de nenhum déficit neurológico grave.

LEIA TAMBÉM: O cérebro pode se recompor depois que metade dele é removido

Uma coorte de 20 pacientes será incluída no estudo – 10 receberão EPR, 10 não. Pacientes com trauma não podem consentir em participar do estudo, mas a US Food and Drug Administration aprovou o estudo desde que não haja tratamento alternativo, ao mesmo tempo em que consulta com membros da comunidade e permite que qualquer pessoa opte por não participar, se assim o desejar.

Nenhum resultado foi divulgado, mas o estudo foi discutido em um simpósio na Academia de Ciências de Nova Iorque na segunda-feira, revelando que equipe havia testado a técnica de animação suspensa em um paciente. A data de conclusão do ensaio clínico esperada é dezembro de 2019, com resultados completos esperados até o final de 2020.

FONTES / Cnet / The New York Times

Posts relacionados