EspaçoNASA fotografa galáxia peculiar com o dobro do tamanho da Via Láctea

O telescópio Hubble detectou uma característica incrível de uma galáxia vizinha.
Milena Elísios4 semanas atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Galáxia-maior-1.jpg

O Telescópio Espacial Hubble detectou uma enorme galáxia peculiar localizada a 130 milhões de anos-luz de distância da Via Láctea. A galáxia capturada nas imagens é chamada NGC 772, está localizada na constelação de Áries. Uma diferença notável entre a galáxia e a nossa é que ela não possui uma barra, ao contrário da Via Láctea, que é uma galáxia barrada.

As barras são faixas de luz brilhantes resultantes de estruturas de poeira e gás que correm ao longo do centro das galáxias. Em uma galáxia barrada, as barras contribuem para a formação de estrelas através do funil de poeira e gás no núcleo do aglomerado de estrelas.

LEIA TAMBÉM: Astrônomos comprovam a existência de galáxias sem matéria escura

Galáxias como a NGC 772, não tem esse efeito, embora ainda haja muita poeira e gás para a formação de estrelas em outras partes da galáxia. NGC 772 é também uma forma esticada incomum, o que significa que é tecnicamente classificada como uma “galáxia peculiar”.

A foto tirada da “galáxia peculiar” com o dobro do tamanho da via láctea. (Imagem: NASA)

A peculiaridade na sua forma neste caso é o seu braço na porção superior da imagem, que foi distorcida como se fosse uma deformação estendida. A forma é causada pelos movimentos de uma galáxia satélite próxima, que está gravitacionalmente ligada a uma galáxia maior e que orbita em torno dela.

LEIA TAMBÉM: Astrônomos descobriram 300.000 galáxias escondidas em apenas um pedacinho do céu

Nossa galáxia também tem galáxias satélites, incluindo a Grande Nuvem de Magalhães e a Pequena Nuvem de Magalhães, mas as observações feitas pelo telescópio Hubble sugerem que essas galáxias podem estar se movendo muito rápido para estarem verdadeiramente em órbita ao redor de nossa galáxia.

No entanto, acredita-se que essas galáxias em órbita possam causar o fim da nossa própria órbita, pois uma grande colisão pode fazer com que o buraco negro no centro da nossa galáxia aumente de tamanho, destruindo tudo o que está próximo.

FONTE / Express