TecnologiaA escala de Kardashev – os tipos de civilizações I, II, III, IV e V

Redação4 semanas atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/04/MassEffect2Citadel-1400x600-1280x549.jpg

Chegamos a um ponto de virada na sociedade. Segundo o renomado físico teórico Michio Kaku, os próximos 100 anos de ciência determinarão se perecemos ou prosperaremos. Será que continuaremos sendo uma civilização Tipo 0, ou avançaremos e faremos nosso caminho para as estrelas?

Especialistas afirmam que, à medida que a civilização cresce e se torna mais avançada, suas demandas de energia aumentam rapidamente devido ao crescimento populacional e às necessidades de energia de suas várias máquinas. Com isso em mente, a escala de Kardashev foi desenvolvida como uma forma de medir o avanço tecnológico de uma civilização com base em quanta energia utilizável ela tem à sua disposição (originalmente ligada à energia disponível para comunicações, mas expandida desde então).

CONHEÇA A ESCALA DE KARDASHEV

Crédito: Chris Cold

A escala foi originalmente projetada em 1964 pelo astrofísico russo Nikolai Kardashev (que procurava sinais de vida extraterrestre nos sinais cósmicos). Tem 3 classes de base, cada uma com um nível de eliminação de energia: Tipo I (10¹⁶W), Tipo II (10²⁶W) e Tipo III (10³⁶W). Outros astrônomos estenderam a escala para o Tipo IV (10⁴⁶W) e o Tipo V (a energia disponível para esse tipo de civilização seria igual a toda a energia disponível não apenas em nosso universo, mas em todos os universos e em todas as linhas temporais). Essas adições consideram tanto o acesso à energia quanto a quantidade de conhecimento a que as civilizações têm acesso.

Primeiro, é importante notar que a raça humana ainda não está nessa escala. Como ainda sustentamos nossas necessidades de energia de plantas e animais mortos, aqui na Terra, somos uma humilde civilização Tipo 0 (e temos um longo caminho a percorrer antes de sermos promovidos a uma civilização do tipo I). Kaku tende a acreditar que, considerando todas as coisas,  chegaremos ao Tipo I em 100 – 200 anos. Mas o que cada uma dessas categorias realmente significa literalmente?

Uma designação Tipo I é dada a espécies que foram capazes de aproveitar toda a energia disponível de uma estrela vizinha, reunindo-a e armazenando-a para atender às demandas de energia de uma população em crescimento. Isso significa que precisaríamos aumentar nossa produção atual de energia mais de 100.000 vezes para alcançar esse status. No entanto, ser capaz de aproveitar toda a energia da Terra significaria também que poderíamos ter controle sobre todas as forças naturais. Os seres humanos poderiam controlar os vulcões, o clima e até mesmo os terremotos! (Pelo menos, essa é a ideia.) Esses tipos de proezas são difíceis de acreditar, mas comparados aos avanços que ainda podem vir, esses são apenas níveis básicos e primitivos de controle (não é nada comparado às capacidades das sociedades com classificações mais altas).

Uma Esfera de Dyson (Crédito: Slawek Wojtowicz)

O próximo passo – uma civilização Tipo II – pode aproveitar o poder de toda a sua estrela (não apenas transformando a luz das estrelas em energia, mas controlando a estrela). Vários métodos para isso foram propostos. O mais popular deles é a hipotética “Esfera de Dyson”.  Esse dispositivo, se você quiser chamá-lo assim, abrangeria cada centímetro da estrela, reunindo a maior parte (se não toda) de sua saída de energia e transferindo-a para um planeta para uso posterior. Alternativamente, se o poder de fusão (o mecanismo que alimenta as estrelas) tivesse sido dominado pela raça, um reator em uma escala verdadeiramente imensa poderia ser usado para satisfazer suas necessidades. Gigantes gasosas próximas podem ser utilizados para o hidrogênio, lentamente drenados por um reator em órbita.

O que significaria essa energia para uma espécie? Bem, nada conhecido pela ciência poderia acabar com uma civilização do Tipo II. Tomemos, por exemplo, se os humanos sobrevivessem por tempo suficiente para atingir esse status, e um objeto do tamanho da lua entrasse em nosso sistema solar em rota de colisão com o nosso pequeno planeta azul – teríamos a capacidade de vaporizá-lo da existência. Ou se tivéssemos tempo, poderíamos tirar nosso planeta do caminho, esquivando-o completamente. Mas digamos que não quisemos mover a Terra … existem outras opções? Bem, sim, porque nós teríamos a capacidade de mover Júpiter, ou outro planeta de nossa escolha, para o caminho – bem legal, certo?

Um Cyborg (Crédito: Justin Lee)

Então, passamos de ter controle sobre um planeta, para uma estrela, o que resultou em nós abrigando energia “descartável” suficiente para essencialmente tornar nossa civilização imune à extinção. Mas agora, no Tipo III, onde uma espécie se torna galáctica, com conhecimento de tudo que tem a ver com energia, resultando em uma grande corrida. Em termos humanos, centenas de milhares de anos de evolução – tanto biológicos quanto mecânicos – podem resultar em que os habitantes dessa civilização tipo III sejam incrivelmente diferentes da raça humana como a conhecemos. Estes podem ser cyborgs (ou organismos cibernéticos, sendo seres biológicos e robóticos), com os descendentes de humanos regulares sendo uma sub-espécie entre a sociedade agora altamente avançada. Esses seres humanos totalmente biológicos provavelmente seriam vistos como deficientes, inferiores ou não-evoluídos por suas contrapartes cibernéticas.

Nesse estágio, teríamos desenvolvido colônias de robôs capazes de “auto-replicação”; sua população pode aumentar em milhões à medida que se espalham pela galáxia, colonizando estrelas após estrelas. E estes seres podem construir Esferas de Dyson para encapsular cada um, criando uma enorme rede que levaria energia de volta ao planeta natal. Mas estender-se sobre a galáxia dessa maneira levantariam vários problemas; ou seja, a espécie seria restringida pelas leis da física. Particularmente, pela a velocidade da luz. Ou seja, a menos que consigam desenvolver uma dobra espacial, ou usem esse cachê de energia imaculada para dominar o teletransporte de buracos de minhoca (duas coisas que permanecem em teorias por enquanto), elas não podem chegar tão longe.

Uma representação artística de tal civilização.

Kardashev acreditava que uma civilização do Tipo IV era “muito” avançada e não foi além do Tipo III em sua escala. Ele achava que, certamente, essa seria a extensão da capacidade de qualquer espécie. Muitos pensam assim, mas alguns acreditam que há um nível adicional que poderia ser alcançado. (Quero dizer, é certo que há um limite?) As civilizações do tipo IV seriam quase capazes de aproveitar o conteúdo energético de todo o universo e, com isso, poderiam atravessar a expansão acelerada do espaço (além disso, raças avançadas dessas espécies podem viver dentro de buracos negros supermassivos). Para métodos anteriores de geração de energia, esses tipos de proezas são considerados impossíveis. Uma civilização do Tipo IV precisaria explorar fontes de energia desconhecidas para nós usando leis estranhas ou desconhecidas da física.

Tipo V. Sim, o Tipo V pode ser apenas o próximo avanço possível para tal civilização. Aqui os seres seriam como deuses, tendo o conhecimento para manipular o universo como quiserem. Agora, como eu disse, os humanos estão muito, muito longe de alcançar algo assim. Mas isso não quer dizer que não possa ser alcançado enquanto nós cuidarmos da Terra e uns dos outros. Para tanto, o primeiro passo é preservar nossa minúscula casa, extinguir a guerra e continuar apoiando avanços e descobertas científicas.

FONTE / Futurism