EspaçoA Curiosity acaba de enviar uma imagem sombria de sua visão solitária em Marte

Na cratera de Gale, a Curiosity analisa as camadas de rocha desgastadas pelo clima da base do Monte Sharp, que se eleva do centro da cratera.
Milena Elísios2 semanas atrás(NASA / JPL-Caltech)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Curiosity-2.jpg

Na cratera de Gale, a Curiosity está estudando as camadas de rocha desgastadas pelo clima ao redor da base do Monte Sharp, que se eleva do centro da cratera. Mas não são apenas rochas que aparecem nas fotografias que a Curiosity devolve à Terra.

A imagem acima foi tirada usando a câmera de navegação direita B do rover no dia 1º de novembro, ou Sol 2573. Ela mostra a vista da borda da cratera.

Em primeiro plano, o rover gentilmente inclina-se em direção à montanha. À distância, na borda da cratera de Gale – criada em um impacto de um meteorito gigante há bilhões de anos – sobe da bruma poeirenta.

A imagem parece mostrar isolamento da missão do Curiosity – após o triste encerramento do Opportunity, o Curiosity é agora o único rover a operar em Marte (o InSight é um módulo estacionário). Mas o instrumento não tem tempo para ficar ocioso e contemplar seu destino solitário.

Foto do Butte Central tirada em 1 de novembro ou Sol 2572. (NASA / JPL-Caltech)

O butte central é profundamente interessante do ponto de vista geológico, com camadas de rochas sedimentares que guardam pistas sobre as águas da região em um passado distante. A Curiosity irá explorar estas camadas sedimentares para tentar avaliar a sua extensão.

Sol 2572. (NASA/JPL-Caltech)

Os instrumentos da curiosidade também estão investigando as variações de rochas na região – há algumas cores diferentes nas rochas que sugerem várias unidades estratigráficas. Os dados obtidos pelo Curiosity ajudarão a caracterizar estas unidades, e como elas podem estar relacionadas entre si.

O rover também captará imagens de uma região no topo da montanha – muito difícil de ser alcançada pelo rover, mas que fica dentro da sua área de alcance.

“Depois de todas estas observações, o Curiosity vai começar a dar a volta à colina para olhar para ela do outro lado”, escreveu a geóloga planetária Kristen Bennett, do United States Geological Survey, no site Mars Exploration da NASA.

FONTE / Science Alert

LEIA TAMBÉM: