NaturezaCrocodilo raro devora pescador e tem destino trágico

Um crocodilo albino adulto vivendo na natureza é algo extremamente raro de se ver, pois eles não se beneficiam da camuflagem verde habitual.
Milena Elísios2 semanas atrás(Imagem: Adelaide River Queen Jumping Crocodile Cruises)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Crocodilo-albino.jpg

Em uma segunda-feira, um pescador decidiu se aventurar em um rio no território Norte de Adelaide, mas enquanto se abaixou para puxar a rede de volta, acabou sendo atacado e devorado por grande um crocodilo de água salgada. O crocodilo era um meio-albino que media 4,5 metros de comprimento e é incrivelmente raro, com uma cabeça hipo-melanística, o que significa que suas escamas continham menos melanina – ou pigmento – fazendo com que adquirissem uma coloração amarela pálida.

Após o incidente, muitos pescadores ficaram indignados e o crocodilo acabou sendo morto a tiros no mesmo dia.

LEIA TAMBÉM: Há 210 milhões de anos, crocodilos gigantes caçavam até dinossauros

Filhotes de crocodilos albinos não são particularmente incomuns, mas é muito raro que eles consigam chegar a idade adulta, como foi o caso do animal sacrificado em Adelaide. Crocodilos com coloração albina pálida – mesmo que apenas na cabeça – não se beneficiam da camuflagem fornecida pelas escamas esverdeadas regulares, o que os transforma em alvos fáceis, então precisam trabalhar muito para sobreviver.

LEIA TAMBÉM: Crocodilos vegetarianos viveram nos antigos cursos de água da terra

(Imagem: Adelaide River Queen Jumping Crocodile Cruises)

“Esse crocodilo em particular tinha muitas cicatrizes, falta de membros, uma enorme mordida em seu flanco. Ele passara pelas guerras”, disse Britton a James Dunlevie, da ABC News .

Pat Chappell, um guia turístico no rio Adelaide, disse a Dunlevie que o trecho de água era conhecido pelos habitantes locais como um local potencialmente perigoso e com alta concentração de grandes crocodilos de água salgada.

“Ele era o macho territorial dominante naquela parte do rio. Esse é o território dele e ele o patrulha regularmente. Há uma chance em cem milhões de se encontrar outro crocodilo como ele”, disse ele ao ABC.

FONTE / ABC News