História & HumanidadeEste pedaço de colar de 40.000 anos não foi feito pelos humanos

Ao menos, não pelos modernos. Cientistas acreditam que este é o "último" colar feito pelos Neandertais, extintos a aproximadamente 40.000 anos.
Giovane Sampaio2 semanas atrásCrédito: Antonio Rodríguez-Hidalgo
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/11/pedaço-de-colar-de-40-mil-anos-é-o-último-feito-pelos-neandertais-1280x1643.jpg

As garras da águia são consideradas como os primeiros elementos usados pelos Neandertais para fazer jóias, uma prática que se espalhou pelo sul da Europa há cerca de 120.000 a 40.000 anos. Agora, pela primeira vez, os pesquisadores encontraram evidências dos usos ornamentais das garras de águia na Península Ibérica.

Um artigo publicado na capa da revista Science Advances fala sobre as descobertas, que se realizaram no sítio arqueológico da Cave Foradada, em Calafell. O estudo foi liderado por Antonio Rodríguez-Hidalgo, pesquisador do Instituto de Evolução na África (IDEA) e membro da equipe de pesquisa em um projeto do Seminário de Estudos Pré-históricos e Pesquisa (SERP) da UB.

O interesse nestes resultados reside no fato de que é a peça mais moderna do gênero até agora em relação ao período Neandertal e a primeira encontrada na Península Ibérica. Esta descoberta alarga os limites temporais e geográficos estimados para este tipo de ornamentos de Neandertal. Este seria “o último colar feito pelos Neandertais”, segundo Antonio Rodríguez-Hidalgo.

“Os neandertais usaram garras de águia como elementos simbólicos, provavelmente como pingentes de colar, desde o início do Paleolítico Médio”, observa Antonio Rodríguez-Hidalgo. Em particular, o que os pesquisadores encontraram em Cova Foradada são restos de ossos de uma águia imperial espanhola (Aquila Adalberti), de mais de 39.000 anos atrás, com algumas marcas que mostram que estes foram usados para tomar as garras para fazer pingentes. Os restos correspondem à perna esquerda de uma grande águia. Pela aparência das marcas, e analogia com os restos mortais de diferentes sítios pré-históricos e documentação etnográfica, os pesquisadores determinaram que o animal não era usado para consumo, mas por razões simbólicas. As garras de águia são os elementos ornamentais mais antigos conhecidos na Europa, ainda mais antigos que as conchas do mar perfuradas pelos Homo sapiens sapiens no norte da África.

Os achados pertencem à cultura Châtelperroniana, típica dos últimos Neandertais que viveram na Europa, e coincidem com o momento em que esta espécie entrou em contato com o Homo sapiens sapiens da África e se espalhou pelo Oriente Médio.

Garras de águia imperial. Crédito: Antonio Rodríguez-Hidalgo

Juan Ignacio Morales, pesquisador do programa Juan de la Cierva afiliado ao SERP e autor do artigo, sugere que este uso de garras de águia como ornamentos poderia ter sido uma transmissão cultural dos Neandertais aos humanos modernos, que adotaram esta prática depois de chegar à Europa.

Cova Foradada abrange o sítio mais meridional da cultura Châtelperroniana na Europa. A descoberta envolveu uma mudança no mapa do território onde a mudança do Paleolítico Médio para o Paleolítico Superior ocorreu há 40.000 anos, e onde a interação entre Neandertais e Homo sapiens sapiens provavelmente ocorreu.

Os estudos na Cova Foradada começaram em 1997. No momento, a supervisão da escavação é conduzida por Juan Ignacio Morales e Artur Cebrià. O estudo arqueológico deste sítio está incluído num projeto SERP financiado pelo Departamento de Cultura do Governo Catalão e outro financiado pelo Ministério da Ciência, Inovação e Universidades, liderado pelo professor da UB e diretor do SERP Josep M Fullola.

O primeiro autor do artigo na Science Advances é Antonio Rodríguez Hidalgo, do Institute of Evolution in Africa (IDEA). Outros participantes, além dos membros do SERP, são os pesquisadores da Universidade Rovira i Virgili, do Instituto Catalão de Paleoecologia Humana e Evolução Social (IPHES), do Museu de História Natural de Paris, da Universidade de Salamanca, da Universidade de Calgary (Canadá) e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS).

RELEASE / Universidade de Barcelona via Phys / Science Advances

Posts relacionados