História & HumanidadeIgreja bizantina construída para um mártir misterioso encontrada em Israel

A igreja decorada com belos mosaicos foi dedicada a um mártir, cuja identidade é um mistério.
Ed Whelan, Ancient Origins3 semanas atrás Jovens participantes da escavação da Igreja Bizantina. (Imagem: Assaf Peretz / Israel Antiquities Authority)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Igreja-bizantina-destaque.jpg

Arqueólogos israelenses fizeram uma descoberta impressionante do período bizantino. Eles descobriram uma igreja cristã, que é elaborada e decorada com mosaicos de tirar o fôlego. A igreja foi dedicada a um mártir, cuja identidade é um mistério.

Arqueólogos da Autoridade das Antiguidades de Israel escavaram a igreja depois que ela foi descoberta durante o trabalho em um empreendimento habitacional na cidade de Beit Shemesh. A igreja data do século VI, quando a região era governada pelo Império Romano Oriental ou pelo Império Bizantino.

LEIA TAMBÉM: 1.000 sítios arqueológicos revelados por scanner aéreo na ilha de Arran

De acordo com Haaretz, o santuário “tem sido submetido à escavação de resgate pela Autoridade das Antiguidades de Israel por três anos”.

Basílica Bizantina Massiva

A igreja foi desenhada com base num “plano basílico, com uma nave central ladeada por duas salas”, segundo Haaretz. Este terreno mede aproximadamente 4.500 metros quadrados (1500 metros quadrados). O complexo era composto pela basílica e por vários edifícios auxiliares.

O complexo da igreja bizantina exposto em Beit Shemesh. (Assaf Peretz / Israel Antiquities Authority)

Em frente à igreja há um grande pátio. O líder da escavação, Benjamin Storchan, afirmou que “tanto a basílica como o pátio são enormes para o período – maiores do que a maioria das igrejas bizantinas encontradas na Terra Santa”, segundo Haaretz.

Mosaicos Notáveis Descobertos na Igreja Bizantina

Na igreja foi encontrada uma cripta subterrânea, forrada com mármore e uma rara pia batismal em forma de cruz. Muitos milhares de objetos da era bizantina foram recuperados, incluindo janelas de vidro e lâmpadas.

LEIA TAMBÉM: Por que antigos caçadores de tubarões foram enterrados com membros extras

O Jerusalém Post relata que nas ruínas estão “espetaculares pisos de mosaico, com decorações imaginativas, inspiradas na natureza, como folhas, flores e pássaros vivazes”. Mosaicos de parede também foram descobertos.

Mosaicos descobertos no chão da igreja bizantina. (Assaf Peretz / Israel Antiquities Authority)

Alguns mosaicos têm o símbolo do Império Bizantino, a águia alada. A igreja foi construída pela primeira vez durante o reinado de Justiniano (527-565 d.C.) e foi concluída nos anos 540. Foi ampliada pelo imperador Tibério II Constantino (540-582 AD). É possível que a capela da igreja tenha sido construída durante seu reinado.

Águia, parte dos mosaicos da igreja bizantina. (Assaf Peretz / Israel Antiquities Authority)

Os símbolos da águia alada parecem mostrar que a basílica encontrada em Beith Shemesh era uma igreja imperial. Pouco se sabe sobre estas igrejas, que foram favorecidas pelos imperadores. A descoberta significa que os pesquisadores podem agora entender melhor o papel desses lugares de culto na Terra Santa.

A igreja bizantina foi construída para um mártir misterioso

As igrejas cristãs são comumente dedicadas a um santo ou mártir. De acordo com Haaretz “pesquisadores descobriram uma inscrição grega intacta dedicando o local sagrado à memória de um ‘endoxo martis’ – um mártir glorioso”.

Inscrição encontrada na igreja bizantina Beit Shemesh. (Asaf Peretz / Israel Antiquities Authority)

Este mártir foi possivelmente enterrado na cripta de mármore que foi encontrada no local. Storchan, citado pelo Jerusalem Post, diz que “duas escadas separadas levam à cripta, permitindo que grandes grupos de peregrinos a visitassem ao mesmo tempo”.

Os peregrinos teriam viajado até a igreja para buscar a intercessão do mártir, que era provavelmente uma figura muito importante na história do cristianismo local. No entanto, ninguém conhece realmente a identidade do cristão venerado.

LEIA TAMBÉM: Arqueólogos encontram tesouros em pirâmide submersa de 2.300 anos

Os estudiosos estão à procura de documentos antigos para tentar identificar a misteriosa pessoa santa. É provável que ele ou ela estivesse ligado à região local e a igreja pode ter sido construída no local onde eles foram martirizados ou enterrados, o que era uma prática cristã comum, na época e desde então.

A Conquista Islâmica da Igreja Bizantina

O sítio arqueológico também oferece aos pesquisadores uma visão sobre a história inicial do domínio muçulmano na Terra Santa. Especialistas têm encontrado um grande número de lâmpadas de barro usado por peregrinos dos primeiros anos do Califado Árabe. Isto sugere que “após a conquista muçulmana da Terra Santa na primeira metade do século 7, o complexo continuou a ser usado e o mártir sendo adorado”, afirma Haaretz.

LEIA TAMBÉM: DNA antigo lança nova luz sobre os filisteus bíblicos

Tradicionalmente, o declínio do cristianismo na Terra Santa era atribuído à conversão forçada de membros dessa fé por guerreiros muçulmanos. A evidência da igreja, dedicada ao “glorioso mártir”, sugere que não foi esse o caso. Em vez disso, o cristianismo provavelmente declinou por causa da conversão voluntária gradual da população local ao Islão.

Lugar Santo Abandonado

O local foi provavelmente abandonado por causa da queda no número de cristãos locais no século IX dC. Não foi destruído por muçulmanos locais.

A basílica foi selada por grandes pedras, em algum momento. Isto foi possivelmente feito por cristãos que acreditavam que voltariam à igreja – mas nunca o fizeram.

A basílica do “glorioso mártir” está sendo preservada pelo governo israelita. Estão transformando-a num parque arqueológico que ficará aberto ao público.

Espera-se que atraia muitos turistas para a região. Uma exposição baseada na “Igreja do Mártir Glorioso” está atualmente acontecendo em Jerusalém.

Por Ed Whelan, este artigo foi publicado originalmente no Ancient Origins, leia o artigo original aqui.

Posts relacionados