História & Humanidade1.000 sítios arqueológicos revelados por scanner aéreo na ilha de Arran

A nova tecnologia de imagem revelou cerca de 1.000 sítios arqueológicos anteriormente desconhecidos na ilha de Arran, na Escócia.
Milena Elísios1 mês atrásIlha na Escócia ( supakit / Adobe Stock)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Sítios-arqueológicos-2.jpg

Um grupo de arqueólogos escoceses concluiu um projeto arqueológico com tecnologia de ponta que revelou cerca de 1.000 sítios arqueológicos anteriormente desconhecidos na ilha de Arran.

Uma ilha na extensão da costa da Escócia contém algumas das pedras mais espetaculares do norte da Europa, além de túmulos megalíticos, ruínas de antigas e comunidades agrícolas que remontam há cerca de 6.000 anos. De acordo com um artigo da Island Review a ilha é mais famosa pelos seus pântanos e montanhas, artes e ofícios, cerveja e whisky, do que pela sua gloriosa arqueologia pré-histórica.

Recentemente, arqueólogos do Historic Environment Scotland (HES) voaram com dispositivos de varredura a laser sobre a superfície terrestre para gerar uma imagem 3D de assentamentos pré-históricos, fazendas medievais e até mesmo um monumento neolítico excepcionalmente raro.

LEIA TAMBÉM: Antigos caçadores de tubarões que foram enterrados com membros extras

Os restos de um círculo de uma cabana que ficaram claros com os resultados da varredura LIDAR. (Imagem: Historic Environnement Scotland)

Os dados do LIDAR estão disponíveis no SRSP (Portal de Detecção Remota do Governo Escocês) e os resultados do inquérito estão disponíveis para consulta no Canmore – Registo Nacional do Ambiente Histórico da Escócia. Essa foi a maior investigação do tipo já realizada.

Segundo Dave Cowley, gerente de mapeamento arqueológico rápido da Historic Environment Scotland (HES), o escaneamento mostrou aos cientistas que há o dobro do número de monumentos antigos na Ilha de Arran do que se sabia e os líderes da herança escocesa afirmam que “dezenas de milhares ” de outros sítios arqueológicos podem ser encontrados usando essa tecnologia de digitalização.

 Essa nova tecnologia 3D permitiu uma pesquisa arqueológica muito rápida, que foi realizada durante semanas apenas, ela também permitiu a descoberta de locais que poderiam até ser impossíveis de encontrar. Entre as estruturas identificadas estão shielings medievais e pós-medievais (estruturas circulares de pedra que protegiam as ovelhas dos ventos), que detalham como as áreas de montanha foram usadas por pastores naquela época.

LEIA TAMBÉM: Ancestral humano mais antigo conhecido teve a face reconstruída por cientistas

Os shielings pós-medievais foram identificados pela primeira vez com o LIDAR. (Imagem: HES)

Os arqueólogos também identificaram uma magnífica casa medieval – um tipo de casa circular de madeira com um teto cônico que foi construído na Grã-Bretanha desde a  Idade do Bronze até o período medieval.

A tecnologia LIDAR está construindo uma nova imagem do ambiente histórico da Escócia e o novo estudo sobre Arran é outro passo à medida que a tecnologia de escaneamento aéreo se torna mais amplamente disponível. E se as especulações dos cientistas estiverem corretas, e “dezenas de milhares de locais antigos” forem descobertos em todo o resto da Escócia, toda uma nova geração de arqueologia e arqueólogos será atraída para as Terras Altas da Escócia.

FONTE / Ancient Origins

Posts relacionados