História & HumanidadePor que antigos caçadores de tubarões foram enterrados com membros extras

Os arqueólogos intrigados com a descoberta.
Milena Elísios2 semanas atrásCrédito da foto: Gabriel Prieto / National Geographic .
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Caçadores-de-tubarões-2.jpg

No ano passado, arqueólogos no Peru descobriram um local de sepultamento que remonta a 1.900 anos, nos quais os antigos habitantes de uma vila de pescadores foram enterrados com partes do corpo extras, incluindo caçador de tubarões que foi enterrado com duas pernas esquerdas extras.

Em maço de 2018, 54 indivíduos enterrados em 47 tumbas pré-incas no local de Lomas La Cruz em Huanchaco, Trujillo, Peru, juntamente com mais de 100 artefatos  foram encontrados. Dos 54 corpos encontrados cerca de 30 deles incluem membros humanos adicionais. Em um caso, um adulto, que se acredita ser um caçador de tubarões, foi encontrado com duas pernas esquerdas adicionais colocadas ao lado de seu corpo.

Uma cultura de pescadores

Embora o sítio arqueológico esteja associado a diferentes culturas, os pesquisadores acreditam que os túmulos com membros adicionais pertencem a conhecida cultura pouco conhecida chamada Virú, uma cultura pré-inca que floresceu no Vale do Virú na costa noroeste do Peru.

LEIA TAMBÉM: Ancestral humano mais antigo conhecido teve a face reconstruída por cientistas

Os túmulos encontrados sugerem que muitos dos habitantes daquele lugar eram pescadores e podem ter sido particularmente hábeis em capturar tubarões. Em uma cova, os pesquisadores encontraram um anzol de cobre de 10 cm de comprimento, que é apropriado para caçar peixes e tubarões.

Escavação de uma das tumbas pré-incas. Fonte: Johnny Aurazo

A arcaica tradição de caça aos tubarões

Escavações anteriores em áreas costeiras do Peru mostraram que a tradição de caça de tubarões na região remonta há pelo menos 4.000 anos. Em 2010, os arqueólogos descobriram um templo de 3.500 anos usado por caçadores de tubarões em uma pequena vila perto de Huanchaquito, onde eram realizadas cerimônias rituais.

LEIA TAMBÉM: DNA antigo lança nova luz sobre os filisteus bíblicos

Restos de espinhas nas habitações revelaram que a carne mais consumida pelos moradores era a tubarão azul, do tubarão de areia e da arraia. Essas três espécies também são as mais que são representadas em esconderijos onde eram feitos rituais. Enterros humanos também foram encontrados com restos de tubarão, além de outras ofertas marinhas. Arqueólogos acreditam que as razões para o uso de produtos marinhos como oferendas poderiam estar relacionadas à necessidade de manter a produtividade do oceano e de satisfazer os deuses que possivelmente governavam essa produtividade.

Garrafa de bico estribo esculpido da Moche, mostrando um homem montado em um tubarão (100 – 800 dC). Crédito: Museu Nacional de Arqueologia, Antropologia e História do Peru

Os membros adicionais

Segundo pesquisadores a descoberta de enterros contendo partes extras do corpo é exclusiva da cultura de Virú. O único outro exemplo conhecido foi encontrado no início dos anos 2000 em El Castillo Santa, ao sul de Trujillo, onde os pesquisadores encontraram um pequeno número de esqueletos com membros extras em outro local perto de Virú. Não se sabe exatamente por que os corpos eram enterrados com membros adicionais, uma sugestão é que os membros extras possam ter servido como uma oferta de sacrifício para acompanhar os mortos à vida após a morte. Estudos adicionais determinarão se existe algum tipo de relação entre os indivíduos enterrados e os donos dos membros adicionais.

FONTE / Ancient Origins

Posts relacionados