História & HumanidadeComo uma garota morta em Paris teve os lábios mais beijados da história

Entenda como uma garota desconhecida encontrada morta em Paris, salvou milhões de pessoas e se tornou a boca mais beijada da história.
Milena Elísios3 semanas atrás(Juste Pour Info / YouTube)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/09/Garota-morta-em-Paris.jpg

Ninguém sabe seu nome, idade, histórico e nem mesmo como ela acabou morrendo afogada no rio Sena, em Paris, mas quando seu corpo sem vida foi retirado daquelas águas turvas no final do século 19, uma garota ficou conhecida para sempre como L’Inconnue de la Seine (a mulher desconhecida do Sena) e começou uma incrível nova história após sua morte. Ninguém jamais imaginaria que a jovem que tivera a vida tão curta, poderia salvar milhões de pessoas.

Fotografia da L’Inconnue (Domínio público, sem data)

A bela jovem 

O que aconteceu antes e depois da morte da L’Inconnue é debatido até hoje, mas o que se segue é a versão mais comum de um conto que agora tem talvez 150 anos: L’Inconnue, tinha cerca de 16 anos quando morreu, pode ter sido um suicídio. Ninguém sabe ao certo, mas não haviam marcas em seu corpo, e muitos concluíram que ela tirou a própria vida. Após seu corpo ser retirado do Sena, ela foi transportada para o necrotério de Paris e posta em exibição ao lado dos corpos de outros mortos desconhecidos para fins de identificação. Essa exibição de cadáveres sem nome foi uma diversão popular naquela época.

LEIA TAMBÉM: Escultura de 2 mil anos de idade desenterrada em Roma

Apesar da multidão, no entanto, ninguém reconheceu o L’Inconnue, ou pelo menos ninguém se apresentou. Embora ela nunca tenha sido identificada pelas multidões que compareceram ao seu cadáver, ela não passou despercebida, longe disso. Mesmo após a sua morte, a beleza e a aparência serena da jovem chamou atenção. Uma das pessoas que ficaram impressionadas com aparência da falecida foi um funcionário do necrotério, que – segundo a história – ficou tão paralisado por ela, que ordenou que um molde de gesso fosse feito de seu rosto.

Em pouco tempo, a imagem mortal e sedutora de L’Inconnue foi reproduzida e vendida em lojas de lembranças em Paris, depois na Alemanha e no resto da Europa. A máscara dessa garota morta desconhecida foi descrita pelo filósofo e autor Albert Camus como a “Mona Lisa afogada” – tornou-se um ícone cultural cobiçado. Com o tempo, seu meio sorriso congelado repousou sobre os mantos e foi posto nas salas de estar de todo o continente. Ela foi posicionada em oficinas de artistas, encarada como uma modelo muda e imóvel.

Máscara L’Inconnue (Phelps et al / Jornal de Pediatria e Saúde Infantil)

Os traços serenos conquistaram gerações de romancistas e poetas 

Mas não foram apenas desenhistas e pintores se sentiram  cativados pelo rosto da jovem. Poetas e romancistas também ficaram extasiados. Em algum momento, L’Inconnue se transformou em um tipo de inspiração mórbida para escritores do início do século XX, que inventaram inúmeras histórias dramáticas para essa jovem. Morte na água era um conceito muito romântico. Morte, água e mulher eram uma combinação tentadora.

Os lábios mais beijados da história

Meio século depois, Asmund Laerdal, um fabricante de brinquedos da Noruega, começou a fabricar bonecas de plástico, naquela época o plástico era uma grande e moderna novidade. Um dia, o filho de dois anos de idade de Laerdal, Tore, quase se afogou. Se o pai não tivesse se apressado a intervir – puxando o garoto mole da água e forçando-a a sair das vias aéreas – as coisas teriam sido muito diferentes. Pouco tempo depois, um grupo de anestesistas o procurou e disse que precisava de uma boneca para demonstrar uma técnica de ressuscitação recentemente desenvolvida, um procedimento conhecido como RCP.

Foi então que juntamente com esses pesquisadores – incluindo, mais notavelmente, o médico austríaco Peter Safar, que ajudou a abrir caminho o método de RCP -, Laerdal embarcou em um projeto histórico: criar um manequim em tamanho real que as pessoas pudessem usar para praticar técnicas de salvar vidas.

LEIA TAMBÉM: Por que as antigas esculturas gregas possuem ‘pequenos’ pênis?

Mas surgiu lhe surgiu uma pequena questão, que tipo de rosto ele daria a essa boneca gigante? Laerdal então lembrou de um meio sorriso estranho e enigmático, uma máscara serena que ele viu pendurada na parede da casa dos sogros. Este rosto, claro, era L’Inconnue. Laerdal batizou a boneca de Anne, a boneca tinha um corpo de tamanho adulto com peito dobrável para praticar compressões e lábios abertos para simular a ressuscitação boca a boca.

Asmund Laerdal com Resusci Anne (Laerdal)

Desde que se tornou disponível na década de 1960, Resusci Anne – como é chamada a boneca – não é o único manequim de RCP do mercado, mas é considerada o primeiro e mais bem-sucedido de todos os tempos, ele foi responsável por ajudar centenas de milhões de pessoas a aprender o básico de como para salvar uma vida com a RCP. Esse número incrível, é o motivo pelo qual se diz que Resusci Anne tem o rosto mais beijado de todos na história.

FONTE / Science Alert

Posts relacionados