NaturezaHá uma criatura nos oceanos que aterroriza até mesmo os grandes tubarões brancos

Damares Alves1 mês atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Tubarão-branco.jpg

Já sabemos que orcas são predadores impressionantes, mas evidências mostram que elas podem até espantar as feras mais temidas do mar.

Uma equipe de pesquisadores percebeu que tubarões brancos se tornam incrivelmente escassos sempre que detectam a presença das orcas.

LEIA TAMBÉM: Fóssil de ave três vezes maior que avestruz é descoberto na Europa.

“Quando confrontados por orcas, os tubarões-brancos vão desocupar o local de caça preferido e não retornarão por até um ano, mesmo que as orcas estejam apenas passando”, disse o ecologista marinho Salvador Jorgensen, do Monterey Bay Aquarium.

Mas, o que levaria tubarões brancos – que chegam a medir 5,5 e estão entre os mais temíveis predadores dos oceanos- sentir tanto medo destes animais?

Orcas têm ente 5 e 8 metros de comprimento, e costumam atacar baleias muito maiores que isso então não sairiam perdendo em uma briga, nem mesmo contra estes assíduos predadores.

Há alguns relatos de carcaças de tubarões brancos vítimas das baleias assassinas que foram encontrados em algumas praias, mesmo que os ataques sejam raros, isso poderia justificar o temor dos animais.

LEIA TAMBÉM: Cientistas transferem com sucesso o primeiro embrião de rinoceronte de tubo de ensaio.

Pesquisadores também relataram que nos locais onde os tubarões costumam caçar – normalmente elefantes marinhos – tiveram um aumento considerável de focas elefantes, após o surgimento das orcas nesse locais. Isso acontece normalmente porque mesmo que as baleias se alimentem desses animais, elas acabam tendo uma preferencia maior por peixes da região – E as focas é claro, agradecem.

Não se sabe se os tubarões estão sendo predados, ou se as orcas estão os intimidando para obter uma fonte maior de alimento.

LEIA TAMBÉM: Mergulhadores influenciam resposta de peixes a predadores.

De qualquer forma, isso demonstra como as cadeias alimentares nem sempre são lineares e como tudo que sabemos sobre a vida nas águas é quase nada em relação ao que ainda podemos descobrir.

Este artigo pode ser lido em Scientific Reports.