NaturezaComo sobreviver a um ataque de tubarão: algumas informações podem ser cruciais

Se você vai a praia, aqui estão algumas dicas para evitar que você se torne um lanche de tubarão.
Redação1 semana atrás8 min
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/09/Ataque-de-tubarão.png

Em todo o mundo, acontecem cerca de 70 a 100 ataques de tubarão por ano, desses ataques entre 5 a 15 resultam em mortes. Além disso, algumas pesquisas mostram que o número de ataques de tubarões estão aumentando drasticamente, segundo dados do International Shark Attack File e do Museu de História Natural da Flórida.

LEIA TAMBÉM: Descoberto tubarão incomum que come plantas

Quase qualquer tubarão grande, com cerca de dois metros ou mais de comprimento total, é uma ameaça potencial aos seres humanos. Três espécies, no entanto, têm sido repetidamente implicadas como os principais agressores do homem: o tubarão branco (Carcharodon carcharias) , o  tubarão tigre (Galeocerdo cuvier) e o  tubarão touro (Carcharhinus leucas)

Então, se vai a praia, aqui estão algumas dicas para evitar que você se torne um almoço de tubarão.

Se mostre maior e mais ameaçador

Viu um tubarão e acha que está prestes a atacar? Se mostre maior e mais ameaçador, porque os tubarões respeitam o tamanho e a força, diz o especialista em tubarões George Burgess, diretor do Arquivo Internacional de Ataques aos Tubarões.

Ficar parado não vai te ajudar

Ataques de tubarões são raros, e as mortes  devido a esses ataques são ainda mais raras. Mas se você se encontrar nas mandíbulas de um grande tubarão branco ou tubarão-touro ou tigre, em hipótese alguma se faça de morto. “Se você finge de morto, vai morrer”, diz Burgess. Porque o tubarão, depois de dar uma mordida exploratória em você, pensará que venceu a batalha e começará a mastigar. Tente acertá-lo em pontos estratégicos.

LEIA TAMBÉM: Tubarão de 400 anos encontrado no Ártico pode ser o mais antigo vertebrado vivo: confira vídeo

Pontos estratégicos

Se você tem algo útil, como um bastão de selfie ou equipamento de mergulho, bata no tubarão com ele. Ou na falta desses, apenas use as mãos nuas e procure o nariz, brânquias e olhos – essas são as áreas sensíveis.

Conseguiu escapar? Não pare.
Escapou com sucesso das mandíbulas do animal? Volte para a praia o quanto antes, o barulho e o sangue provavelmente atrairão outros tubarões que possam estar nadando próximo, diz Burgess. Chegando em terra firme, deve imediatamente conter o sangramento e buscar ajuda.
Melhor prevenir do que remediar

Isso parece óbvio, mas é sempre bom lembrar: evite praias com altos índices de ataques de tubarões, como a praia de Boa viagem, no Recife, por exemplo, que é das praias mais perigosas e também uma das mais frequentadas, onde diversos cartazes indicam aos turistas a presença destes animais.

LEIA TAMBÉM: Descoberta uma nova espécie raríssima de tubarão capaz de brilhar no escuro

As Jóias podem não ser boas aliadas na hora de dar um mergulho, pois a luz refletida nas nelas é uma atração infalível para os tubarões. Eles acham que é escama de peixe.

Não nade a noite

Sempre evite nadar à noite, porque você não pode ver os tubarões chegando. Evite também bocas de rios, enseadas, canais e qualquer lugar onde os peixes se reúnam. “Onde há peixes, há predadores”, diz Burgess.

FONTE / CNN