FísicaNúcleo interno da Terra poderia finalmente ser explicado pela ciência

Redação3 meses atrás(Vadim Sadovski/Shutterstock.com)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Núcleo-da-Terra.jpg

Os movimentos ocultos do núcleo mais profundo da Terra são uma das maiores incógnitas da geofísica.

Nas profundezas da superfície do planeta, o núcleo interno super-quente da Terra está dentro de um núcleo líquido fundido, separado do manto e crosta sobrejacentes acima dele.

Esse arranjo intocado levanta inúmeras questões, talvez a maior delas seja chamada de super-rotação: se o núcleo interno da Terra não estiver ligado ao manto devido à camada externa do fluido que o circunda, como isso afeta sua rotação?

Hipóteses de super-rotação sugerem que o núcleo interno da Terra gira a uma taxa diferente da taxa de rotação do planeta, que é de uma rotação completa em relação ao Sol a cada 24 horas.

LEIA TAMBÉM: Massa misteriosa encontrada sob maior cratera do sistema solar, na Lua

Mas os cientistas debatem há décadas sobre qual seria a taxa de rotação do núcleo da terra.

Uma análise recente do sismólogo John Vidale, da Universidade do Sul da Califórnia, oferece uma nova estimativa a ser considerada pelos geofísicos.

Vidale examina ondas sísmicas retroespalhadas detectadas a partir de dois testes nucleares separados realizados pela União Soviética no arquipélago de Novaya Zemlya, no norte da Rússia, em 1971 e 1974.

Quando essas explosões nucleares foram conduzidas há décadas, a força das explosões foram detectadas por estações sísmicas em todo o mundo, incluindo a LASA (Large Aperture Seismic Array): a primeira grande matriz sísmica do mundo, construída em Montana em 1965.

Ao analisar os dados da LASA e medir o movimento do núcleo interno com base nas ondas sísmicas detectadas, Vidale estimou que o núcleo interno girava aproximadamente 0,07 graus a mais do que o resto do planeta todos os anos entre 1971 e 1974.

LEIA TAMBÉM: Sismólogos descobrem enormes montanhas a 660 quilômetros abaixo da superfície da Terra

Quanto aos cálculos de super-rotação, Vidale diz que sua nova estimativa é mais lenta e mais robusta do que as aproximações anteriores, uma das quais, notavelmente, é sua própria.

No novo estudo, Vidale explica que a sua última estimativa fornece uma maior resolução e beneficia de melhorias na correção, processamento e interpretação dos dados.

Mas outra razão pela qual os números são diferentes é que este é um campo muito teórico da ciência – examinar uma parte profundamente enterrada e superaquecida da Terra que é impossível estudar de perto; a pesquisa ainda está emergindo.

Toda a teoria da super-rotação só foi proposta pela primeira vez na década de 1970, mas a primeira modelagem séria e evidência sísmica só apareceu na década de 1990, poucos anos antes da publicação da pesquisa de Vidale em 2000.

LEIA TAMBÉM: Cientistas descobrem uma enorme biosfera de vida escondida embaixo da Terra

Os cientistas também têm outras explicações para o porquê de nossas leituras e estimativas sobre as taxas de super-rotação do núcleo interno parecerem diferentes.

Um estudo publicado em maio sugeriu que as discrepâncias poderiam ser devidas a variações na superfície do próprio núcleo interno, o que poderia explicar inconsistências em outras análises.

Os resultados foram publicados na Geophysical Research Letters.

FONTE / Science Alert

Posts relacionados