EspaçoAstrofísicos fazem descoberta pioneira de planeta em formação

Redação1 semana atrás4 min
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/secondbabypl.jpg?fit=715%2C480&ssl=1

Astrofísicos da Universidade Monash, usando o telescópio ALMA, no Chile, fizeram uma das primeiras descobertas mundiais de um segundo planeta “bebê” (duas a três vezes mais pesado que Júpiter) dentro de uma lacuna de gás e poeira.

A equipe responsável pela pesquisa foi a primeira a descobrir um novo planeta dentro de um disco protoplanetário. Estas descobertas foram publicadas no ano passado nas Astrophysical Journal Letters.

Usando os mesmos métodos, os cientistas descobriram agora um novo planeta no meio de uma lacuna dentro do disco circundante.

Detalhes sobre a nova observação foram publicados na prestigiada revista Nature Astronomy.

O autor principal do estudo, Dr. Christophe Pinte, futuro Fellow na Universidade Monash, disse em 2015 que o telescópio ALMA observou primeiro o interior de um ‘disco protoplanetário’ – o local de nascimento dos planetas – em torno de uma jovem estrela próxima.

“O que ele viu foi uma série impressionante de anéis e lacunas misteriosas”, disse o Dr. Pinte.

“A origem dessas lacunas tem sido objeto de muito debate”, disse ele.

“Agora temos a primeira evidência direta de que um planeta bebê é responsável por esculpir uma dessas lacunas no disco de poeira e gás que gira em torno da jovem estrela HD97048”.

O co-autor do estudo, o professor associado Daniel Price, disse que a última descoberta se une a apenas um punhado de planetas bebês conhecidos.

“Nosso estudo estabelece pela primeira vez uma ligação firme entre os planetas bebês e as lacunas observadas nos discos em torno das estrelas jovens”, disse Price.

“Há muito debate sobre se os planetas bebês são realmente responsáveis por causar essas lacunas.”

O novo planeta bebê foi encontrado mapeando o fluxo de gás ao redor da estrela, e procurando onde o fluxo é perturbado pela presença de um planeta – como encontrar uma rocha submersa em um rio, desde a perturbação até a água ao redor dele.

FONTE / Monash University via Phys /  DOI: 10.1038/s41550-019-0852-6