EspaçoFalhas descobertas em estrelas de nêutrons revelam segredos

Redação1 semana atrás5 min(CC0 Public Domain)
https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/falhas-em-estrelas-de-nêutrons.jpg?fit=1200%2C565&ssl=1

As estrelas de nêutrons não são apenas os objetos mais densos do Universo, mas também giram muito rápido e regularmente, até deixarem de fazê-lo.

Ocasionalmente, estas estrelas de nêutrons começam a girar mais rápido, devido a partes do interior da estrela se movendo para fora. É chamado de “falha” e fornece aos astrônomos uma breve visão sobre o que está dentro desses objetos misteriosos.

Em um artigo publicado na revista Nature Astronomy, uma equipe da Universidade Monash, da Universidade McGill e da Universidade da Tasmânia estudaram a Vela Pulsar, uma estrela de nêutrons no céu do sul, que fica a 1.000 anos-luz de distância.

Segundo o principal autor do artigo, Dr. Greg Ashton, da Monash School of Physics and Astronomy, Vela é famosa – não apenas porque apenas 5% dos pulsares são conhecidos por apresentarem falhas, mas também porque Vela “falha” cerca de uma vez a cada três anos, se tornando uma favorita para os “caçadores de falhas”, como o Dr. Ashton e seu colega, Dr. Paul Lasky, também de Monash.

Ao reanalisar os dados das observações da falha da Vela em 2016 feitas pelo co-autor Dr. Jim Palfreyman, da Universidade da Tasmânia, o Dr. Ashton e sua equipe descobriram que durante a falha a estrela começou a girar ainda mais rápido, antes de relaxar até o estado final.

De acordo com o Dr. Lasky, também da Monash School of Physics and Astronomy, esta observação (feita no Mount Pleasant Observatory, na Tasmânia) é particularmente importante porque, pela primeira vez, os cientistas tiveram uma visão do interior da estrela, revelando que o interior dela realmente possui três componentes diferentes.

“Um desses componentes, uma sopa de nêutrons superfluidos na camada interna da crosta, move-se para fora primeiro e atinge a crosta externa rígida da estrela, fazendo com que ela gire”, disse o Dr. Lasky.

“Mas então, uma segunda sopa de superfluidos que se move no núcleo alcança a primeira, fazendo com que a rotação da estrela diminua.”

Este overshoot foi previsto algumas vezes na literatura, mas este é o primeiro tempo real que foi identificado nas observações,” ele disse.

Uma dessas previsões de overshoot veio da co-autora do estudo, Dra. Vanessa Graber, da Universidade McGill, que foi uma visitante na equipe de Monash no início deste ano.

Outra observação, de acordo com o Dr. Ashton, desafia a explicação.

“Imediatamente antes da falha, notamos que a estrela parece diminuir sua taxa de rotação antes de voltar a girar”, disse o Dr. Ashton.

“Nós realmente não temos ideia do porquê disso, e é a primeira vez que isso é visto.”

“Pode estar relacionado com a causa da falha, mas honestamente não temos certeza”, disse ele, acrescentando que suspeita que este novo artigo inspira algumas novas teorias sobre estrelas de nêutrons e as falhas.

FONTES / Monash University via Phys / DOI: 10.1038/s41550-019-0844-6