NaturezaEsses peixes foram gravados cantando como um lindo coral ao amanhecer: confira

E você pode ouvir agora.
Redação1 semana atrás4 min
https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Peixe.jpg?fit=900%2C600&ssl=1

Você pode imaginar que o oceano é um lugar extremamente calmo e silencioso, mas não é bem assim, em alguns lugares você pode ouvir um lindo coral de peixes.

A maior parte da música subaquática costuma vir de peixes solistas, que repetem várias vezes o mesmo som, como é o caso do peixe-donzela:

Quando vários peixes diferentes cantam, eles podem formar um lindo coral.

LEIA TAMBÉM: Brasileiros vão competir no iGEM: a maior competição de biologia sintética do mundo

O pequisador Robert McCauley e seus colegas da Curtin University em Perth, na Austrália, gravaram peixes vocais nas águas costeiras de Port Hedland, na Austrália Ocidental, durante um período de 18 meses, e identificaram sete coros de peixes distintos, ocorrendo ao amanhecer e ao anoitecer. Você pode ouvir três deles aqui:

O som de “foghorn” é produzido pelo Black Jewfish (Protonibea diacanthus) enquanto os grunhidos que o pesquisador Miles Parsons comparou ao “buzzer” de um jogo de placa de operação, vem de uma espécie de Terapontidae. O terceiro refrão é um peixe morcego mais silencioso que faz algo como um “ba-ba-ba”.

“Há quase 30 anos que ouço gritos de peixe, burburinhos e pops, e eles ainda me surpreendem com a sua variedade, sincronia”, diz McCauley, que liderou a pesquisa.

LEIA TAMBÉM: Plástico está assassinando bactérias que produzem 10% do oxigênio da Terra

O som tem um papel importante na vida dos peixes. Eles podem utiliza-los para a reprodução, alimentação e disputas territoriais. Os peixes predadores noturnos usam comandos sonoros para ficarem juntos para caçar, enquanto os peixes ativos durante o dia usam o som para defender seu território. “Os coros do crepúsculo e do amanhecer são como os das aves na floresta”, diz Steve Simpson, biólogo marinho da Universidade de Exeter, no Reino Unido.

O objetivo da pesquisa é monitorar os peixes e seus ecossistemas em águas que tem pouca visibilidade, como é o caso de Port Hedland.

O artigo científico foi publicado no periódico Taylor & Fancis.

FONTE / NewScientist