NaturezaEstranha lula do fundo do mar foi filmada pela primeira vez: confira vídeo

Damares Alves3 semanas atrás5 min
https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/squidfirsttime.jpg?fit=900%2C473&ssl=1

Existem muitas criaturas estranhas e até bizarras no fundo do oceano, aos poucos, nós humanos vamos desvendando alguns desses mistérios. Assim como é o caso desta estranha lula do fundo do mar.

A Asperoteuthis mangoldae que foi filmada viva em seu habitat natural por cientistas a bordo do Nautilus E / V, com ajuda do veículo submarino Hercules, operado remotamente. A uma profundidade de 930 metros, no Jarvis Seamount no Oceano Pacífico.

LEIA TAMBÉM: Tubarão de 400 anos encontrado no Ártico pode ser o mais antigo vertebrado vivo: confira vídeo

Em um primeiro momento, segundo o zoólogo do NOAA Michael Vecchione, parecia ser uma lula com algo preso a ela. Até que ele deu um zoom na câmera. E percebeu que esse “algo” era na verdade parte da lula, uma cauda que se estendia além das barbatanas e dobrava o comprimento do animal.

Surpreendida pelo Hercules, a lula escapou rápido como um dardo, revelando a sua misteriosa plumagem como sua “cauda”.

Mais tarde os biólogos a identificaram como A. mangoldae, que anteriormente só era conhecida a partir de menos de 20 espécimes mortos, e foi formalmente descrita e nomeada em 2007.

LEIA TAMBÉM: Cientistas encontraram criaturas vivendo nas águas abaixo da geleira de Permafrost

Não se sabe ao certo qual o objetivo da cauda do animal. Os pesquisadores acreditam talvez que esta grande cauda poderia servir para mudar a aparência física da lula para torná-la semelhante a outra criatura marinha, a fim de parecer mais ameaçador.

Esse avistamento ajudou a responder uma pergunta: como a lula pode nadar com um apêndice tão estranho e desajeitado quanto a cauda?

“Depois de pouco tempo, a lula primeiro nada rapidamente para a frente (braços em primeiro lugar), colapsando o tecido da cauda em torno da estrutura em forma de bastão”, escreveu Vecchione.

“Então, ele inverte o curso e nada rapidamente para trás (cauda primeiro, o que é típico para a natação de alta velocidade por uma lula). Enquanto nada para trás, o tecido permanece firmemente preso perto da haste, semelhante a uma vela enrolada no mastro de um veleiro.”

FONTE / Nautilus Live