EspaçoCientistas estão muito entusiasmados com a descoberta de três exoplanetas

Damares Alves5 meses atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Estrela.jpg

Milhares de exoplanetas já foram descobertos, mas poucos puderam deixar os astrônomos tão excitados quanto um sistema recentemente descoberto localizado a apenas 73 anos-luz de distância da Terra.

Recentemente, o satélite TESS, que caça planetas, encontrou três exoplanetas e entre eles um mundo rochoso pouco maior que a terra.

A estrela foi nomeada TOI-270, e seus planetas TOI-270b (o planeta rochoso), TOI-270c e TOI-270d.

“O TOI-270 é uma verdadeira Disneylândia para a ciência de exoplanetas, e um dos principais sistemas que a TESS estava planejando descobrir”, disse o astrofísico Maximilian Günther, do Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do MIT.

“Você pode realmente fazer todas as coisas que você quer fazer na ciência exoplaneta, com este sistema.”

É provável que nenhum dos exoplanetas seja habitável. O TOI-270b, um planeta rochoso com cerca de 1,25 vezes o tamanho da Terra, é o mais próximo da estrela, girando em órbita completa a cada 3,4 dias.

Mesmo que a estrela seja muito mais fria que o Sol, e apenas 40% de seu tamanho, ainda está muito próxima da superfície, uma das principais métricas para determinar a habitabilidade.

Dos dois sub-Netuno – um 2,42 vezes o tamanho da Terra, o outro 2,13 vezes o tamanho – o maior tem uma órbita de 5,7 dias; isso também é muito próximo da estrela para a habitabilidade.

O menor sub-Netuno tem uma órbita de 11,4 dias, o que significa que sua atmosfera externa pode ser habitável em termos de temperatura, mas provavelmente tem uma atmosfera muito espessa que cria um efeito estufa, deixando a superfície muito quente para a sobrevivência. (o mesmo acontece com Vênus.)

Um diagrama das órbitas planetárias, com a zona habitável representada em verde escuro e a zona habitável extremófila em verde claro. (Günther et al., Nature Astronomy, 2019)

Embora nenhum destes planetas seja habitável, o sistema apresenta algumas oportunidades raras para pesquisas.

A maioria das anãs vermelhas é turbulenta, cuspindo chamas – mas essa estrela, o TOI-270 é mais estável. E porque é perto, também é brilhante.

Além disso, como seus planetas passam entre nós e a estrela quando eles a orbitam, podemos ser capazes de aprender sobre suas atmosferas apenas estudando as mudanças na luz da estrela.

Isso poderia nos ajudar a aprender mais sobre como diferentes planetas se formam, e por que alguns são rochosos e pequenos, e alguns são enormes e gasosos.

“Nós encontramos muito poucos planetas como este na zona habitável, e muitos menos em torno de uma estrela quieta, então isso é raro”, disse o astrofísico planetário Stephen Kane, da Universidade da Califórnia Riverside.

As órbitas planetárias destes mundos desconhecidos têm um padrão. A cada cinco vezes o planeta mais interno, TOI-270b, gira em torno da estrela, o planeta do meio, TOI-270c, gira em torno de três – expresso como uma razão inteira, que é uma ressonância orbital de 5:3.

E para cada duas órbitas do TOI-270c, o TOI-270d possui uma ressonância orbital de 2:1.

“Para o TOI-270, esses planetas se alinham como pérolas em uma corda”, disse Günther.

“Isso é uma coisa muito interessante, porque nos permite estudar seu comportamento dinâmico. E você quase pode esperar, se houver mais planetas, o próximo seria em algum lugar mais distante.”

Isso poderia dizer aos astrônomos onde procurar planetas mais distantes no sistema – e é aí que fica realmente interessante. A zona habitável se estende para mais longe da estrela e pode haver mais planetas nela.

E, os astrônomos notaram, embora seja improvável que o TOI-270d seja habitável, ele pode ter exoões que são.

“Há muitas pequenas peças do quebra-cabeça que podemos resolver com este sistema”, disse Günther. “É um laboratório excepcional, não por um, mas por muitas razões – ele realmente preenche todos os requisitos.”

A pesquisa foi publicada na Nature Astronomy.

FONTE / University of California via Phys