NaturezaTubarão de 400 anos encontrado no Ártico pode ser o mais antigo vertebrado vivo: confira vídeo

Um tubarão da Groenlândia de 400 anos de idade, que teria atingido a maturidade sexual por volta dos 150 anos, estabelece um novo recorde para ser o mais velho vertebrado vivo.
Damares Alves4 semanas atrás9 minOs tubarões da Groenlândia foram excessivamente explorados durante a Segunda Guerra Mundial, já que seus fígados poderiam ser usados ​​para o óleo de máquinas, o que tem consequências para a conservação.
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Tubarão-1.jpg?fit=600%2C600&ssl=1

Tendemos a pensar que os vertebrados vivem tanto quanto nós, mais ou menos de 50 a 100 anos. Porém criaturas marinhas costumam ser muito mais longevas, portanto, determinar sua idade é bem difícil.

No ano passado um tubarão da Groenlândia de 400 anos de idade, que teria atingido a maturidade sexual por volta dos 150 anos, estabeleceu um novo recorde para o mais velho vertebrado vivo.

LEIA TAMBÉM: Há uma criatura nos oceanos que aterroriza até mesmo os grandes tubarões brancos.

Os pesquisadores mediram a criatura e estimaram que o tubarão poderia ter nascido em 1505.

Um tubarão da Groenlândia de 400 anos de idade, que teria atingido a maturidade sexual por volta dos 150 anos, estabelece um novo recorde para ser o mais velho vertebrado vivo.
Mas como chegaram a essa conclusão?

O grupo de pesquisadores mediram o tubarão, ele tinha 18 pés de comprimento (aproximadamente 5,4 metros). Levando em consideração que essa espécie cresce em média 1 cm por ano, os cientistas chegaram a conclusão de que o animal tem entre 272 a 512 anos de idade.

É o mais antigo entre os 28 tubarões da Groenlândia que foram analisados na pesquisa. Estes tubarões têm uma vida útil estimada de 400 anos e passam o tempo nadando a procura de parceiros.

LEIA TAMBÉM: Cientistas encontraram criaturas vivendo nas águas abaixo da geleira de Permafrost.

Os biólogos também utilizaram um método chamado datação por radiocarbono de lente ocular.

As lentes dos olhos de todos os vertebrados continuam a crescer com o animal ao longo da vida, adicionando camadas como uma cebola.

No final da década de 1950, os testes atmosféricos de armas termonucleares causaram um grande e facilmente detectável pico na quantidade de radiocarbono que chegou ao mar. Os cientistas chamam isso de ‘pulso da bomba’ e se tornou uma maneira prática de verificar a idade dos organismos marinhos. Se a quantidade de radiocarbono na lente de um tubarão representa os níveis de pulso pós-bomba, isso é um indicador bastante claro de que o animal nasceu depois de 1960.

LEIA TAMBÉM: Descoberta uma nova espécie raríssima de tubarão capaz de brilhar no escuro.

Os pesquisadores descobriram que as proteínas das lentes dos dois menores dos 28 tubarões da Groenlândia tinham os níveis mais altos de carbono-14, sugerindo que elas nasceram após o início dos anos 60. 

O terceiro menor tubarão, no entanto, tinha níveis de carbono-14 apenas um pouco acima dos 25 tubarões maiores, sugerindo que na verdade ele nasceu no início dos anos 60.

Os tubarões da Groenlândia foram excessivamente explorados durante a Segunda Guerra Mundial, já que seus fígados poderiam ser usados ​​para o óleo de máquinas, o que tem consequências para a conservação.
A espécie

Não se sabe por que os tubarões da Groenlândia vivem por tanto tempo. Os cientistas tem a hipótese isso que pode estar relacionado com seus genes, ou pode ser o fato de que eles vivem em temperaturas relativamente baixas e têm um metabolismo lento.

LEIA TAMBÉM: Misterioso tubarão do mar profundo é capturado em filmagens incrivelmente raras.

Essa espécie é principalmente restrita às águas do Oceano Atlântico Norte e do Oceano Ártico. O tubarão da Groenlândia se alimenta principalmente de peixes, suas caças registradas incluem outros tubarões, enguias, arenque, capelim, carpa do Ártico, bacalhau, peixe-rosa, peixe-espada, peixe-lobo e linguado. Os tubarões da Groenlândia também foram encontrados se esbaldando com restos de focas, ursos polares, cavalos, alces e renas. Esse tubarão é conhecido por ser um limpador do mar e é atraído pelo cheiro de carne podre na água.

O artigo científico foi publicado na revista Science.