História & HumanidadeArqueólogos encontram tesouros em pirâmide submersa de 2.300 anos

Redação3 meses atrásPirâmides no deserto, Sudão.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Pirâmides-no-deserto-Sudão..jpg

Abaixo de uma pirâmide de 2.300 anos de idade estão três câmaras e um túnel, onde o preservado sarcófago de um faraó permanece escondido. Eles permaneceram quase inacessíveis, até uma equipe de arqueólogos explorarem-no, devido a estarem cheios de água.

Ao contrário das pirâmides egípcias que supostamente serviram como túmulos e onde os faraós foram ‘enterrados’ dentro dos monumentos, as pirâmides do Sudão têm uma diferença chave: os túmulos dos faraós foram colocados abaixo da estrutura, em vez de dentro delas. E é por baixo destas “pirâmides esquecidas” que um grupo de arqueólogos que exploram o deserto quente do Sudão fez uma descoberta espantosa

Há milhares de anos, a terra de Núbia era o lar dos Faraós Negros e de uma coleção de pirâmides antigas que, embora não tão grandes quanto as egípcias, são igualmente fascinantes. Algumas dessas pirâmides foram exploradas, pelo menos parcialmente, por arqueólogos há várias décadas. Uma dessas pirâmides, pertencente a Nastasen, foi explorada há cerca de um século. Ela foi esquecida e enterrada pelas areias.

Os arqueólogos, repletos de equipamentos de mergulho e seus instrumentos arqueológicos indispensáveis, queriam dar uma olhada dentro dos túmulos do antigo faraó. A missão era difícil.

Para chegar aos túmulos, os arqueólogos tiveram que superar um número de obstáculos. O maior deles era a água: para acessar as passagens e câmaras abaixo da pirâmide, os pesquisadores tiveram que mergulhar na água cheia de lama.

Felizmente para eles, o túmulo que eles estavam agora explorando já foi invadido por George Reisner, um egiptólogo de Harvard que havia visitado Nuri há um século.

Crédito da Imagem: National Geographic

Foi graças ao trabalho de Reisner que os arqueólogos sabiam que muitos dos túmulos estavam cheios de água, tornando as escavações arqueológicas tradicionais uma tarefa impossível.

Reisner e sua equipe escavaram a pirâmide de Nastasen brevemente. De acordo com as suas notas, um dos membros da sua equipa entrou no túmulo a caminho da câmara final. Lá, ele conseguiu cavar um pequeno espaço no canto, eventualmente coletando pequenas figuras para serem usadas na vida após a morte do faraó. Os itens foram coletados, e Reisner e sua equipe saíram. O túmulo foi finalmente esquecido, até recentemente, quando o arqueólogo da National Geographic Pearce Paul Creasman decidiu seguir os passos de Reisner, e entrar no túmulo.

Foi precisamente na pirâmide pertencente a Nastasen, e depois de acessar um túnel submerso e três câmaras cheias de água, que arqueólogos subaquáticos descobriram uma quantidade de artefatos dentro do túmulo submerso de um faraó chamado Nastasen, governante de Núbia e do Reino Kush, cerca de 335 AEC a 315 AEC.

Depois de fazê-lo através de uma escadaria que conduz ao túmulo de Nastasen, os arqueólogos encontraram um lençol freático. Para ir mais longe, eles precisaram colocar seus equipamentos de mergulho e trabalhar alguma arqueologia subaquática.

Embalados com tanques de oxigênio e ferramentas arqueológicas, eles queriam ver como era o túmulo.

Crédito da Imagem: National Geographic

Os níveis de água eram altos e foram o resultado do que os especialistas descreveram como “o aumento da água subterrânea causado pela mudança climática natural e induzida pelo homem, a agricultura intensiva perto do local e a construção de barragens modernas ao longo do Nilo”.

No entanto, os cientistas entraram no túmulo, eventualmente emergindo com fragmentos de folhas de ouro que outrora cobriam figuras dentro do túmulo antigo.

A terceira e última câmara abaixo da pirâmide é onde os especialistas acreditam que o Faraó está enterrado.

Creasman e Romey acessaram a câmara em seu equipamento de mergulho e flutuaram logo acima do sarcófago de Nastasen, de 2.300 anos de idade, sem perturbações.

Agora, embalado com experiência, e sabendo o que esperar, seu objetivo é retornar ao local em 2020 e tentar escavar a câmara de enterro, que eles próprios argumentam ser um desafio audacioso e logístico.

FONTE/LEIA MAIS: Dive beneath the pyramids of Egypt’s black pharaohs [National Geographic] 

Posts relacionados