NaturezaComo o tubarão sobreviveu a incríveis quatro extinções em massa

Um dos animais mais antigos do nosso planeta viu a sua população diminuir 90% entre 1950 e 2014.
Redação3 meses atrásImagem: Whitepointer/Depositphotos.com
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/tubarão-branco.jpg

O tubarão é um dos animais mais antigos do planeta. Ele resistiu a quatro extinções em massa e conseguiu sobreviver quando amonitas e dinossauros foram dizimados. Como se explicar esta sobrevivência excepcional?

Não só o tubarão é um predador formidável, mas também tem uma resiliência extraordinária na história do mundo animal. Surgido no Devoniano, há 420 milhões de anos, quando árvores e dinossauros ainda nem haviam conquistado o planeta, sobreviveu a quatro das cinco extinções em massa sofridas pela Terra, incluindo o Permiano, que perdeu 96% das espécies marinhas e 70% das espécies terrestres, há 252 milhões de anos.

Naturalmente, muitas espécies de tubarões desapareceram com o tempo, como o Stethacanthus, com sua curiosa barbatana dorsal em forma de bigorna, o Helicoprion, que tinha uma espécie de espiral de dente dentro de sua boca, ou o gigantesco megalodon, cujo tamanho poderia chegar a 20 metros de comprimento. Mas a ordem dos tubarões, que pertence à classe Chondrichthyan, sempre resistiu aos piores desastres.

O tubarão, um comedor oportunista

Vários cientistas estão tentados a explicar esta sobrevivência excepcional. Uma das pistas está em sua dieta: o tubarão engole tudo o que ele encontra ao alcance de sua mandíbula quando a carne fresca está em falta. A paleoecóloga Sora Kim, da Universidade da Califórnia, em Merced, que estudou a dieta do grande tubarão branco, explica que se surpreendeu ao descobrir que a dieta dele varia consideravelmente segundo o seu habitat: pinípedes, atum, mas também polvos ou pequenos peixes. Até os inocentes passeriformes de jardins estão regularmente no menu. O tubarão, que vive ao longo da costa americana, pode tornar-se vegetariano e comer as ervas no fundo do mar graças a uma enzima especial que lhe permite digerir plantas.

O tubarão se adapta às variações climáticas

Mas isso não é tudo: o tubarão é particularmente resistente às mudanças ambientais. Na época do Eoceno, a terra estava mais quente de 9°C a 14°C do que hoje, o que fez com que o gelo derretesse e reduzisse a salinidade do oceano. Isto levaria à morte massiva de muitas espécies marinhas, mas não a do tubarão, que se adaptou perfeitamente a esta água menos salgada, revelou um estudo publicado em 2014. O tubarão também resistiu à acidificação sem precedentes dos oceanos, que literalmente dissolveu os esqueletos de corais, crustáceos e moluscos. Os tubarões, que na época tinham principalmente esqueletos ósseos, adotaram um esqueleto cartilaginoso como a espécie atual. Aqueles que sobreviveram eram, portanto, muito menores (menos de 10 centímetros de comprimento) e, posteriormente, tornaram-se maiores. Nem o aquecimento da água parece assustá-lo, e até mesmo favorece a expansão de algumas espécies de tubarões, como o tubarão bulldog que se instalou recentemente no Estreito de Pamlico, na Carolina do Norte.

Mas o que a natureza não conseguiu fazer, o Homem consegue com desconcertante facilidade. Mais de 16% das espécies de tubarões estão ameaçadas de extinção, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Todos os anos, mais de 100 milhões de tubarões são mortos em todo o mundo, três a cada segundo, de acordo com um estudo publicado na revista Marine Policy. Um dos animais mais antigos do nosso planeta viu a sua população diminuir 90% entre 1950 e 2014.

FONTE / Futura Sciences