BiologiaUm embrião humano feito em laboratório revelou algo verdadeiramente mágico

Redação2 semanas atrásCrédito: Mijo Simunovic/Rockefeller University
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/embryoid_model_gastrula_1024.jpg?fit=1024%2C415&ssl=1

Pouco depois da concepção seu corpo passou por várias mudanças, você cresceu com uma extremidade superior e uma inferior. Mas ninguém nunca soube explicar como exatamente as células fazem isso – até hoje.

Pesquisadores da Universidade Rockefeller organizaram um grupo de células-tronco pra agir de forma semelhante a um embrião humano comum. Eles puderam ter uma ideia melhor de como funciona a bioquímica do desenvolvimento humano.

O embrião humano de 10 dias foi capaz de evoluir de uma esfera perfeita para algo bem menos simétrico. O estudo foi restrito a esse curto espaço de tempo pois estudos em embriões humanos são um desafio prático e ético.

É bem aí que entram os organoides embrionários, estruturas sintéticas que imitam algumas, mas não todas, as características definidoras de suas contrapartes biológicas.

LEIA TAMBÉM: Selfie no Monte Everest destrói a loucura da terra plana?

Os embrioides têm sido usados para estudar o desenvolvimento celular há anos, mas ajudam a encontrar uma estrutura mais apropriada para representar um passo de desenvolvimento específico.

“Nós combinamos várias técnicas – bioengenharia, física e biologia do desenvolvimento – para criar este modelo”, disse o físico e bioquímico Mijo Simunovic.

“Agora temos um sistema 3D que imita não apenas a impressão genética do embrião, mas também sua forma e tamanho”.

Estudos anteriores – feitos em ratos – revelaram como o embrião se divide traçando uma linha que distingue qual extremidade produzirá uma cabeça e qual crescerá uma cauda. Esse processo chama-se gastrulação e acontece com todos os mamíferos – isso explica o porquê de você não encontrar ninguém por aí com nádegas na cabeça, por exemplo.

“A quebra de simetria se dá em quase tudo que acontece durante o desenvolvimento embrionário. Nossas cabeças não se parecem com os nossos pés, e isso porque, em algum momento, o embrião se divide em duas partes, anterior e posterior”, disse Simunovic.

O desenvolvimento do modelo embrionário pode ser uma grande vitória para a ciência, mas a inovação pode eventualmente se tornar sua pior inimiga.

A questão de quando uma aproximação sintética de um embrião atravessa a linha entre o modelo de vida e o humano autêntico torna-se cada vez mais confusa à medida que a complexidade cresce.

Numa entrevista com Rob Stein, da NPR, os pesquisadores enfatizam que há uma distinção, e enquanto eles estão se esforçando para fazer modelos mais sofisticados, seus embriões “nunca se tornariam embriões humanos se nós os deixássemos crescer”.

FONTE: A Lab-Made Human ‘Embryo’ Has Revealed a Truly Magical Step in Human Development [ScienceAlert]