PaleontologiaFóssil de ave três vezes maior que avestruz é descoberto na Europa

O fóssil tem cerca de 1,8 milhões de anos, o que significa que a ave pode ter chegado ao continente na mesma época que o Homo erectus.
Smithsonian3 semanas atrásInterpretação artística. Crédito: Andrey Atuchin
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Fóssil-de-pássaro-maior-que-avestruz.jpg?fit=800%2C600&ssl=1

As aves gigantescas do passado têm nomes que falam por si. A ave elefante, nativo de Madagascar e a maior ave gigante conhecida, tinha mais de três metros de altura e pesava 1.000 quilos ou mais, até que foi extinto cerca de 1.000 anos atrás. O mihirung da Austrália, apelidado de “ave do trovão”, que desapareceu há quase 50 mil anos, teria quase dois metros de altura e pesava entre 200 e 500 quilos. Mas até agora, ninguém jamais havia encontrado evidências dessas aves na Europa.

Pesquisadores descreveram o primeiro fóssil de uma ave gigante encontrado na Criméia no Journal of Vertebrate Paleontology. Datado de cerca de 1,8 milhões de anos, o espécime faz com que os especialistas questionem suposições anteriores de que as aves gigantes não faziam parte da fauna da região quando os primeiros ancestrais humanos chegaram pela primeira vez à Europa.

Uma equipe de paleontólogos desenterrou o fóssil – um fêmur extraordinariamente grande – na Caverna Taurida, localizada na Península da Criméia, no norte do Mar Negro. A caverna só foi descoberta em junho passado quando a construção de uma nova rodovia revelou sua entrada. Expedições iniciais no verão passado levaram a descobertas emocionantes, incluindo ossos e dentes de parentes de mamute extintos. É claro que a equipe não esperava encontrar aves gigantes, pois nunca houve evidências de sua existência na Europa.

LEIA TAMBÉM: Fóssil do maior e mais antigo Tyrannosaurus rex encontrado

“Quando esses ossos me alcançaram, senti que estava segurando algo pertencente a aves de elefante de Madagascar”, diz a paleontóloga Nikita Zelenkov, do Instituto Paleontológico Borissiak, que lidera o estudo, em um e-mail. “Essa foi a parte mais surpreendente para mim, tamanho tão incrível. Nós não esperamos [por isso].

Com base nas dimensões do fêmur, a equipe calculou que a ave pesaria cerca de 450 quilos – tanto quanto um urso polar adulto -, tornando-se a terceira maior ave já registrada.

Embora o osso fosse semelhante em tamanho ao fêmur de um elefante, era mais esguio e alongado, como uma versão maior do avestruz moderno (Struthio camelus). “A principal diferença do Struthio é a notável robustez. Há também alguns detalhes menos visíveis, como a forma ou orientação de superfícies particulares, que indicam uma morfologia diferente dos avestruzes”, diz Zelenkov.

Com base nessas distinções, a equipe classificou provisoriamente o fêmur como pertencente à ave gigante sem asas Pachystruthio dmanisensis. Um fêmur de aparência semelhante do Pleistoceno Inferior foi encontrado na Geórgia e descrito em 1990, mas na época, a equipe não calculou o tamanho total da ave antiga.

A forma do fêmur também nos dá pistas sobre como o mundo era quando Pachystruthio estava vivo. Suas semelhanças com os ossos de um avestruz moderno sugerem que uma ave enorme era uma boa corredora, o que poderia implicar que ele vivesse entre grandes mamíferos carnívoros como o chita gigante ou o gato com dentes de sabre. Esta ideia é apoiada pelas descobertas anteriores de ossos e fósseis próximos.

Além disso, a imensa massa de Pachystruthio poderia apontar para um ambiente mais seco e hostil. Estudos anteriores do mihirung da Austrália sugerem que ele evoluiu para um tamanho maior à medida que a paisagem se tornou mais árida, uma vez que uma massa corporal maior pode digerir com mais eficiência alimentos mais duros e de baixa nutrição. O pachystruthio pode ter evoluído sua grande estatura por razões semelhantes.

Talvez mais notavelmente, a equipe supõe que o Pachystruthio estava presente quando o Homo erectus chegou na Europa durante o Pleistoceno Inferior e possivelmente chegou pela mesma rota. Saber que as duas espécies antigas poderiam ter coexistido introduz um mundo de novas questões para os cientistas.

“O pensamento de que algumas das maiores aves que já existiram não foi encontrado na Europa até recentemente é revelador”, diz Daniel Field, um paleobiólogo da Universidade de Cambridge que não estava envolvido na nova pesquisa. “[Isso] levanta questões interessantes sobre os fatores que deram origem a essas aves gigantes e os fatores que as levaram à extinção. Seu desaparecimento estava relacionado com a chegada de parentes humanos na Europa?

LEIA TAMBÉM: Um fóssil gigante de réptil foi encontrado na Antártida

Delphine Angst, uma paleobióloga da Universidade de Bristol que também não esteve envolvida no estudo, diz que é muito cedo para dizer sem evidência direta se havia vida humana perto do mesmo local. “Para este caso específico, é difícil responder”, diz Angst. “Mas se você tomar todos os exemplos que temos, como as moas na Nova Zelândia, temos muitas evidências claras de que essas aves foram caçadas por humanos. É completamente possível no futuro que talvez encontremos alguma evidência, como ossos com traços de corte ou cascas de ovos com decorações. Ainda não há informações para este caso específico, mas é possível”.

Apesar da falta de uma resposta definitiva, Angst enfatiza que este é um passo importante para entender como essas aves evoluíram e mais tarde foram extintas.

“Essas aves gigantes são conhecidas em vários lugares do mundo por diferentes períodos de tempo, então eles são um grupo biológico muito interessante para entender como funciona um ambiente”, diz Angst. “Aqui temos mais um espécime e mais uma ave gigante em mais um local. Qualquer evidência nova é muito importante para nos ajudar a entender a questão global.”

LEIA TAMBÉM: Revelada nova espécie de dinossauro que viveu no Brasil

Como a descoberta do fóssil continua a desafiar idéias anteriores, fica claro que, diferentemente de Pachystruthio, essa nova descoberta está ganhando voo.

FONTE: Fossil of Ancient Bird Three Times Bigger Than an Ostrich Found in Europe [Smithsonian]