História & HumanidadeComo podemos mudar o analfabetismo estatístico e o desprezo pelos dados?

Steven Pinker quer uma delineação mais clara entre fatos e sentimentos.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/102111_pinker_321.jpg

Muitos líderes e influenciadores, incluindo políticos, jornalistas, intelectuais e acadêmicos, se entregam ao viés cognitivo de avaliar o mundo por meio de anedotas e imagens, em vez de dados e fatos.

Nosso presidente [Trump] assumiu o cargo com uma visão distópica da “carnificina” americana em uma época em que as taxas de criminalidade violenta estavam próximas das mínimas históricas. Seu antecessor republicano criou um novo departamento federal enorme e lançou duas guerras destrutivas para proteger os americanos contra um risco, o terrorismo, que na maioria dos anos mata menos pessoas do que as picadas de abelhas e os raios. No ano após os ataques de 11 de setembro, 1.500 americanos que estavam com medo de voar morreram em acidentes de carro, sem saber que uma viagem aérea de Boston-LA tem o mesmo risco de dirigir 12 milhas.

Uma morte em um Tesla autônomo faz manchetes em todo o mundo, mas as 1,25 milhão de mortes anuais de veículos movidos por humanos não. Crianças pequenas são traumatizadas por exercícios escolares que os ensinam a se esconder de atiradores, que têm uma chance infinitesimal de matá-los em comparação com acidentes de carro, afogamentos ou matadores não-violentos, que matam o equivalente a um Sandy Hook e meio todos os dias. Vários disparos policiais altamente divulgados persuadiram ativistas de que as minorias estão em perigo mortal de policiais racistas, enquanto três análises (duas das faculdades de Harvard, Sendhil Mullainathan e Roland Fryer) não mostraram nenhum preconceito racial nos tiroteios policiais.

Muitas pessoas estão convencidas de que o país é irremediavelmente racista, sexista, homofóbico e sexualmente agressivo, enquanto todos esses flagelos estão em constante declínio (embora não com rapidez suficiente). As pessoas tanto da direita quanto da esquerda se tornaram cínicas em relação às instituições globais porque acham que o mundo está se tornando mais pobre e mais dilacerado pela guerra, enquanto nas últimas décadas as medidas globais de extrema pobreza e mortes nas batalhas despencaram.

As pessoas têm pavor da energia nuclear (a forma mais escalável de energia livre de carbono) por causa das imagens da Three Mile Island (que não matou ninguém), Fukushima (que não matou ninguém; as mortes foram causadas pelo tsunami e um pânico desnecessário de evacuação), e Chernobyl (que matou menos pessoas que são mortas pelo carvão todos os dias). Eles imaginam que os combustíveis fósseis podem ser substituídos pela energia solar, sem fazer as contas de quantas milhas quadradas teriam de ser revestidas com painéis solares para satisfazer a sede mundial de eletricidade. E eles acham que sacrifícios voluntários, como desligar carregadores de laptops, são uma maneira sensata de lidar com a mudança climática.

LEIA MAIS: Steven Pinker: a política precisa ser mais racional

Como podemos mudar esse analfabetismo estatístico destrutivo e desprezo pelos dados? Precisamos fazer “fato” (como Hans, Ola e Anna Rosling chamam) uma parte inerente da cultura da educação, jornalismo, comentário e política. A consciência da enfermidade da intuição humana sem ajuda deve fazer parte da sabedoria convencional de toda pessoa educada. Direcionar política ou ativismo por meio de eventos conspícuos, sem referência a dados, deve ser visto como risível pois é guiá-los por presságios, sonhos ou astrologia.

Steven Pinker é um psicólogo cognitivo experimental e um escritor popular sobre linguagem, mente e natureza humana. Seus livros incluem “O instinto da linguagem”, “Como a mente funciona” e “A tábula rasa”.

Esta é a primeira parte de uma série chamada Focal Point do site da Harvard University, na qual pedem a vários membros do corpo docente da Universidade que respondam à mesma pergunta: O que há de errado com o mundo que você mudaria e por quê?

Posts relacionados