TecnologiaPrimeira cirurgia robótica é realizada com sucesso em Santa Catarina

"A vantagem é a precisão, a visão 3D, menor sangramento, além da preservação dos nervos e vasos, que não se pode lesionar."
Élisson Amboni4 semanas atrás
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/robo-cirurgico.jpg?fit=800%2C600&ssl=1

De acordo com a imprensa catarinense, na manhã de sábado (23) ocorreu a primeira cirurgia robótica de Santa Catarina. A paciente, Maria de Elencar Fernandes, com idade de 32 anos, foi uma das pioneiras com a nova tecnologia no estado.

Sofrendo de endometriose, ela foi submetida a um tipo de cirurgia ainda muito restrita no Brasil. A tecnologia robótica de cirurgia está presente somente em alguns estados do país.

“A vantagem [da tecnologia robótica] é a precisão, a visão 3D, menor sangramento, além da preservação dos nervos e vasos, que não se pode lesionar. É mais segurança para o paciente,” disse Pedro de Abreu Trauczynski à NSC, líder da cirurgia e chefe do Serviço de Cirurgia Robótica do Hospital Santa Isabel – onde a cirurgia foi realizada.

LEIA TAMBÉM: A história de uma imagem histórica: um transplante e seus personagens

A cirurgia, que durou 4 horas, foi relativamente rápida em comparação a uma realizada integralmente por humanos. Somando-se ao sucesso da cirurgia robótica, em que não houve nenhuma complicação pós-cirúrgica, a paciente ganhou alta hoje, um dia depois. Em um procedimento normal, o mínimo para a alta seria de quatro dias.

Nomeado de Da Vinci Si, uma clara homenagem ao florentino que ofereceu grandes insights acerca da anatomia humana, o robô ainda não é totalmente autônomo e não pode trabalhar sem a supervisão de médicos especializados na sua tecnologia e no conhecimento cirúrgico.

Apesar de restrito em grande parte do Brasil, esse tipo de Inteligência Artificial auxiliará mais amplamente, no futuro, áreas de difícil acesso e cirurgias de altos riscos, onde há grandes chances do paciente vir à óbito por procedimentos cirúrgicos, já que a precisão da máquina, em muitos casos, pode ser mais acurada que a de um humano.

LEIA TAMBÉM: Nova tecnologia permite classificar o tumor cerebral mais comum em crianças

Élisson Amboni

Fundador da Sociedade Científica, escreve e traduz para o site sobre vários temas que lhe dão ímpeto. Você pode encontrá-lo no Twitter clicando aqui.