Saúde & Bem-EstarBactérias são a chave para uma vacina contra o estresse

Os cientistas isolaram um padrão molecular único que pode um dia permitir a existência de uma "vacina contra o estresse".
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Aaaaaaa.png

O Mycobacterium vaccae é uma bactéria não patogênica que vive no solo e tem se mostrado bastante promissora na pesquisa em saúde: Agora, um novo estudo pode ter finalmente descoberto o porquê.

As descobertas sugerem que um tipo específico de gordura dentro de M. vaccae pode ser o motivo pelo qual a exposição a essa bactéria é aparentemente benéfica para nós.

Este trabalho está ligado à idéia de “velhos amigos”, uma hipótese que afirma que os seres humanos co-evoluíram com um monte de microrganismos úteis, e a perda desses laços no ambiente moderno levou a um aumento de doenças alérgicas e auto-imunes.

“A ideia é que, à medida que os seres humanos se mudaram das fazendas e das explorações agrícolas ou deixaram de ser caçadores-coletores para as viver nas cidades, perdemos contato com organismos que serviam para regular nosso sistema imunológico e suprimir inflamações inapropriadas”, diz o neuroendocrinologista Christopher Lowry.

“Isso nos colocou em maior risco para doenças inflamatórias e transtornos psiquiátricos relacionados ao estresse.”

Lowry tem pesquisado M. vaccae há anos, descobrindo em um estudo anterior que injetar camundongos com uma preparação morta pelo calor da bactéria impedia o surgimento de reações induzidas por estresse nos animais.

Mas até agora, ninguém tinha certeza do que havia em M. vaccae que pudesse ser responsável por tais efeitos.

“Uma das questões mais candentes é, essencialmente, quais são os componentes críticos das bactérias que parecem beneficiar o hospedeiro?” Lowry disse ao The Denver Post .

No novo estudo, os pesquisadores isolaram e sintetizaram quimicamente um ácido graxo chamado ácido 10 (Z) -hexadecenóico que pode reduzir a inflamação em outros animais.

No nível molecular, o lipídio parece atuar ligando-se a receptores chamados de receptores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPAR). Ao fazê-lo, inibe as vias de inflamação – pelo menos, em células imunitárias de ratos tratadas experimentalmente.

“Parece que essas bactérias com as quais co-evoluímos têm um truque na manga”, diz Lowry .

“Quando eles são absorvidos pelas células imunológicas, eles liberam esses lipídios que se ligam a esse receptor e bloqueiam a cascata inflamatória.”

Muito mais trabalho precisaria ser feito para ver se o mesmo efeito poderia ser replicado em humanos. Se for possível, os pesquisadores dizem que essa descoberta poderia ajudar a desenvolver uma “vacina contra o estresse” para ajudar pessoas em profissões de alto estresse que as colocam em risco de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático.

Infelismente, isso ainda está muito longe de acontecer. Lowry é bastante otimista, no entanto, estimando que pode ser apenas 10 a 15 anos antes de tal tratamento estar disponível.

“Costumávamos pensar que as microbactérias não eram uma parte importante do microbioma humano”, disse Lowry ao The Denver Post .

“O poder da natureza continua a nos surpreender e surpreender como cientistas e estamos ansiosos para aprender mais.”

ORIGINAL INGLÊS: This Odd Bacterium Appears to Protect Its Host From The Damaging Effects of Stress.

Posts relacionados