PaleontologiaQuem eram os antepassados dos nativos americanos? Um povo perdido na Sibéria, afirmam cientistas

A análise genética de dentes e ossos antigos sugere que os nativos americanos descendem em grande parte de um grupo desaparecido chamado Paleo-Siberianos antigos.
Damares Alves3 semanas atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Siberianos.jpg

Um esqueleto na Sibéria de quase 10.000 anos produziu DNA que revela um parentesco impressionante com os nativos americanos, disseram cientistas na quarta-feira.

A descoberta, publicada na revista Nature, fornece uma importante nova pista para as migrações que trouxeram  as primeiras pessoas para as Américas.

“Em termos de povoamento das Américas,  estamos bem perto do elo perdido”, disse Eske Willerslev, geneticista da Universidade de Copenhague e co-autor do novo estudo. “Não é o ancestral direto, mas é extremamente próximo.”

Décadas de pesquisa feitas por arqueólogos e linguistas sugerem que as pessoas chegaram pela primeira vez às Américas no final da última era glacial, 14.500 anos atrás. A rota, a maioria dos especialistas acredita, era uma ponte de terra que ligava o Alasca e a Sibéria ao que hoje é o Mar de Bering.

Mas a Sibéria é uma vasta terra que tem abrigado muitas culturas ao longo de milhares de anos. Pesquisadores se voltaram para o DNA na esperança de esclarecer quais desses foram os ancestrais dos nativos americanos.

Os primeiros estudos foram inconclusivos: os nativos americanos não pareciam ter muitos elos genéticos com nenhum grupo vivo de siberianos. O Dr. Willerslev suspeitava que o DNA dos antigos siberianos poderia ajudar a resolver o enigma.

Em todo o mundo, ele e seus colegas descobriram que as pessoas que vivem em um lugar hoje, geralmente têm pouca conexão genética com aqueles que viveram lá há milhares de anos.

A história da Sibéria é surpreendentemente profunda. Depois que os humanos evoluíram na África, começaram a se mudar para outros continentes há cerca de 70.000 anos. Há cerca de 45 mil anos, os humanos chegaram ao extremo norte da Sibéria, onde caçavam mamutes e outros animais de grande porte.

Vladimir V. Pitulko, um arqueólogo da Academia Russa de Ciências, e seus colegas forneceram ao Dr. Willerslev dois dentes humanos de um local da Sibéria chamado Yana. Sua equipe extraiu DNA de ambos os dentes, o que acabou por vir de dois meninos.

Os dentes têm 31.600 anos, fazendo com que o DNA contenha o material genético humano mais antigo recuperado da Sibéria.

Quando o Dr. Willerslev e seus colegas compararam variantes genéticas no DNA de Yana com pessoas vivas e antigas, eles descobriram que os meninos da Sibéria pertenciam a uma população anteriormente desconhecida. Os cientistas os chamam de antigos siberianos do norte.

A maior parte de sua ancestralidade pode ser rastreada até a migração inicial da África – em particular, para pessoas que acabariam se espalhando pela Europa.

Vários milhares de anos antes de os meninos Yana viverem, os antigos siberianos do norte encontraram pessoas mais próximas dos asiáticos orientais. Pessoas das duas populações cruzaram e, como resultado, os meninos Yana herdaram uma mistura dos dois ancestrais.

Para sua surpresa, no entanto, os geneticistas não conseguiram encontrar pessoas vivas com significante ascendência ancestral no norte da Sibéria.

“As primeiras pessoas no nordeste da Sibéria são pessoas que não conhecíamos e não são ancestrais dos nativos americanos”, disse Willerslev.

Artefatos recuperados da Yana. Crédito Sikora et al.