EspaçoExplosão gigante é detectada pela primeira vez em estrela fora do sistema solar

Esta é a primeira vez que uma ejeção de massa coronal, ou CME, foi vista em uma estrela diferente do nosso sol.
Redação3 meses atrás7 minCrédito: NASA
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/estrela-gigante.jpg

Um grupo de pesquisadores identificou e caracterizou pela primeira vez de maneira completa uma poderosa erupção na atmosfera da estrela HR 9024, marcada por um intenso clarão de raios X, seguido da emissão de uma gigantesca bolha de plasma, ou seja, gás quente contendo partículas carregadas.

Esta é a primeira vez que uma ejeção de massa coronal, ou CME, foi vista em uma estrela diferente do nosso sol. A coroa é a atmosfera exterior de uma estrela.

O trabalho, publicado em um artigo na última edição da revista Nature Astronomy, usou dados coletados pelo Chandra X-ray Observatory da NASA. Os resultados confirmam que os CMEs são produzidos em estrelas magneticamente ativas e são relevantes para a física estelar, e também abrem a oportunidade de estudar sistematicamente esses eventos dramáticos em outras estrelas que não o sol.

“A técnica que usamos baseia-se no monitoramento da velocidade dos plasmas durante um surto estelar”, disse Costanza Argiroffi (da Universidade de Palermo, na Itália, e pesquisador associado do Instituto Nacional de Astrofísica, na Itália), que liderou o estudo. “Isto porque, em analogia com o ambiente solar, espera-se que, durante um surto, o plasma confinado no laço coronal onde o flare ocorre se mova primeiro para cima e depois para baixo atingindo as camadas inferiores da atmosfera estelar. Além do mais, é esperado que haja um movimento adicional, sempre direcionado para cima, devido ao CME associado ao flare”.

A equipe analisou um surto particularmente favorável, que ocorreu na estrela HR 9024, a cerca de 450 anos-luz de distância de nós. O Espectrômetro de Rede de Transmissão de Alta Energia, ou HETGS, na sigla em inglês, abordo do Chandra, é o único instrumento que permite medições dos movimentos de plasmas coronais com velocidades de apenas algumas dezenas de milhares de quilômetros por hora.

Os resultados dessa observação mostram claramente que, durante o flare, o material muito quente (entre 18 e 45 milhões de graus Fahrenheit) primeiro sobe e depois cai com velocidades entre 225.000 e 900.000 milhas por hora. Isto está em excelente concordância com o comportamento esperado para o material ligado ao alargamento estelar.

“Este resultado, nunca alcançado antes, confirma que a nossa compreensão dos principais fenômenos que ocorrem em dilatação é sólida”, disse Argiroffi. “Não estávamos tão confiantes de que nossas previsões pudessem combinar tanto com observações, porque nossa compreensão das explosões é baseada quase completamente em observações do ambiente solar, onde as explosões mais extremas são cem mil vezes menos intensas no radiação-X emitida”.

“O ponto mais importante do nosso trabalho, no entanto, é outro: descobrimos, após a explosão, que o plasma mais frio — a uma temperatura de ‘apenas’ sete milhões de graus Fahrenheit — subiu da estrela, com uma velocidade constante de cerca de 185.000 milhas por hora”, disse Argiroffi. “E esses dados são exatamente o que se esperaria para o CME associado ao flare“.

Os dados do Chandra permitiram, além da velocidade, obter a massa do CME estudada, igual a dois bilhões de bilhões de libras, cerca de dez mil vezes maior que as CMEs mais massivas lançadas no espaço interplanetário pelo Sol, de acordo com o ideia de que os CMEs em estrelas ativas são versões em larga escala de CMEs solares. A velocidade observada do CME, no entanto, é significativamente menor do que o esperado. Isto sugere que o campo magnético nas estrelas ativas é provavelmente menos eficiente na aceleração dos CMEs do que no campo magnético solar.

ORIGINAL INGLÊS: A Giant Stellar Eruption Detected for the First Time [SpaceRef]