NotíciaFósseis de 50 milhões de anos de peixes “congelados no tempo” descobertos

Élisson Amboni4 semanas atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/05/052819_cw_fossil-fish_feat.jpg

Peixes fossilizados capturados no meio da natação oferecem um raro vislumbre do comportamento do animal extinto – e sugerem que a natação em grupo se desenvolveu há pelo menos 50 milhões de anos.

Uma laje de calcário de xisto da época do Eoceno revela que o peixe extinto chamado de Erismatopterus levatus pode ter coordenado o seu movimento semelhante à forma como os peixes em grupos se movem hoje, pesquisadores relataram em Proceedings of Royal Society B.

O fóssil captura uma massa de 259 peixes aparentemente nadando na mesma direção. Não está claro o que matou eles. Mas uma duna de areia que desmorona repentinamente, por exemplo, poderia tê-los enterrado em um piscar de olhos, sugerem os pesquisadores.

A análise das posições e orientações dos peixes sugere que eles seguem as mesmas regras de “atração” e “repulsão” que regem os cardumes hoje: os peixes são repelidos de seus vizinhos mais próximos para evitar colisões, mas ficam com o grupo rastreando com peixes mais distantes.

Como o comportamento coletivo é visto em muitos animais, incluindo o acúmulo de pássaros ou o enxame de insetos, os cientistas acreditavam que esse comportamento evoluiu há muito tempo. Mas há poucas evidências em espécies extintas, diz Nobuaki Mizumoto, ecólogo comportamental da Universidade Estadual do Arizona, em Tempe.

Mizumoto, cuja pesquisa geralmente se concentra em como cupins constroem em grupos, tropeçou no fóssil de cardume de peixes em um museu em Katsuyama, Japão, em 2016.

O fóssil veio originalmente de sedimentos na Formação Green River, uma formação geológica que abrange o que é hoje Colorado, Wyoming e Utah. [Science News]