História & HumanidadeJohannes Kepler teorizou que os planetas criavam suas próprias canções

E você poderá ouvir a própria transcrição de Kepler.
Élisson Amboni4 meses atrás4 min
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/05/harmonia-dos-mundos-de-Kepler-1280x733.gif

Johannes Kepler determinou como os planetas do nosso sistema solar orbitavam ao redor do sol. Ele publicou seu trabalho inovador sobre o assunto de 1609 a 1619, e no último ano daquela década ele também apresentou uma teoria de que cada planeta “canta” uma música, e cada um com uma “voz” diferente.

Segundo Kepler, Marte é um tenor, Mércurio é um soprano e Terra, como o programa da BBC Quite Interesting frisou recentemente, “é um contralto que canta duas notas Mi e Fa, que Kepler lê como ‘Miseriam & Famem’, ‘miséria’ e a fome ” — dois fenômenos não desconhecidos na Terra no tempo de Kepler, embora a revolução científica já tivesse começado a mudar a forma como as pessoas viviam.

Nem todas as melhores mentes da revolução científica pensaram puramente em termos de cálculo. O blog ThatsMaths descreve a missão de Kepler de explicar o sistema solar “em termos de harmonia divina”, encontrando “um sistema do mundo matematicamente correto e harmonicamente agradável”.

A harmonia verdadeiramente divina poderia presumivelmente encontrar sua expressão na música, uma ideia que levou Kepler a explicar os “movimentos planetários em termos de relações harmônicas, um esquema que ele chamou de ‘canção da Terra'”.

Seguindo este esquema, “cada planeta emite um tom que varia em tom como sua distância do Sol varia de periélio para afélio, produzindo um glissando contínuo de tons intermediários, um ‘assobio produzido pela fricção com a luz celestial'”.

Kepler nomeou o resultado de “a música das esferas”. Mas o que isso significa? O cornetista Bruce Dickey, da Suíça, quer nos dar uma ideia sobre isso com o projeto em andamento Nature’s Whispering Secret, “um projeto para uma gravação em CD que irá explorar as ideias sobre música e cosmologia em Johannes Kepler”. Exigindo a musicalidade não apenas de Dickey, mas também do compositor Calliope Tsoupaki, da cantora Hana Blažíková e de um grupo de cantores e instrumentistas de toda a Europa e América, “entre os mais distintos músicos que tocam a música polifônica do século XVI atualmente”.

A intitulada campanha do Indiegogo, que arrecadou fundos para este tributo ambicioso a Kepler na intersecção entre ciência e estética, envolverá um álbum, bem como uma série de performances ao vivo no ano de 2020. [Open Culture]

Posts relacionados