AstronomiaSaiba como observar a chuva de meteoros Líridas

Líridas é a chuva de meteoros que ocorre no mês de abril.
Diógenes Henrique3 meses atrás
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/04/meteor-shower-lyrids.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1

Com esta “chuva de estrelas cadentes” acontecendo entre os dias 16 e 25 de abril, espera-se o pico da Líridas nas noites de 20 para 22 de abril, ocorrendo ainda na manhã de 23 de abril. Mas infelizmente quando a Lua quase cheia está próxima ao radiante (o ponto, no céu, do qual os meteoros parecem se originar, da perspectiva de um observador em terra), há dificuldade um pouco maior de se apreciar o evento. Mas nada que seja um problema. O cuidado que se tem que é que, assim que o céu estiver completamente escuro (longe de luzes urbanas), aguarde os olhos se adaptarem à escuridão da noite, olhe para leste, procure a constelação da Lira através da sua brilhante estrela Vega e espere que os meteoros rasguem o céu com seu rastro de luz.

Abril é o Mês Mundial da Astronomia, pelo que não poderia faltar uma chuva de meteoros, mesmo que com um número baixo de meteoros como é a Líridas. Mas nem por isso deixam de merecer alguma atenção já que, apesar de a sua taxa horária ser de apenas 5 a 20 meteoros por hora com média de 10 por hora, as Líridas são geralmente uma “chuva” com meteoros de grande dimensão. Talvez, entre os meteoros que consiga vislumbrar, consiga presenciar um gigantesco meteoro a rasgar os céus, uma vez que nas Líridas não é incomum meteoros assim, que deixam rastos luminosos e são normalmente bastante brilhantes.

Como resultado da poluição luminosa, observadores em áreas rurais verão mais do que observadores em uma cidade. Noites sem lua no céu revelarão o maior número de meteoros. Meteoros de abril Lyrid são geralmente em torno de magnitude aparente +2. No entanto, alguns meteoros podem ser mais brilhantes, conhecidos como “bolas de fogo das Líridas”, lançam sombras por uma fração de segundo e deixam para trás rastros de fragmentos de fumaça que duram minutos.

Na astronomia, magnitude aparente de um corpo celeste é um número que mede o seu brilho como visto por um observador na Terra. Quanto mais brilhante um objeto parece, menor é o valor de sua magnitude (relação inversa). Uma Lua cheia, por exemplo, tem magnitude de -13. A estrela Veja, nossa guia para achar o radiante da chuva de meteoros Líridas, tem magnitude aparente de 0,03. Mas não se preocupe, magnitudes aparentes em torno de 6,0 ainda são observáveis pelo olho humano padrão (acima de 7,0 não são mais observáveis). Portanto, será fácil de achar a estrela Veja.

A chuva de meteoros Líridas, composta da poeira deixada pelo Cometa Thatcher (C/1861 G1), de acordo com a International Meteor Organization (IMO), que serão “puxados” pela força gravitacional do nosso planeta, brilhando ao entrar na nossa atmosfera, deixando a brilhosa cauda conhecida popularmente como “estrela cadente”. Os pedaços lançados por esse cometa contaminam sua órbita e bombardeiam a atmosfera superior da Terra a 177.000 quilômetros por hora (110.000 milhas por hora).

Infelizmente a Lua irá brilhar em demasia nas noites do pico da Líridas, e ela só irá se “deitar” aqui no Brasil, segundo o site Time and Date, por volta das 06h da manhã, nos estados do norte e nordeste, e após as 07h da manhã nas localidades situadas no cetro-sul brasileiro.

Este mapa celeste mostra a posição do radiante (círculo) da Líridas, próximo à estrela Vega. O radiante ou aparente radiante de uma chuva de meteoros é o ponto celestial do qual (do ponto de vista de um observador terrestre) os caminhos dos meteoros parecem se originar. Os caminhos dos meteoros aparecem em locais aleatórios no céu, mas os caminhos aparentes de dois ou mais meteoros de uma mesma chuva convergirão para o radiante. Crédito da imagem: timeanddate.com

Os astrônomos recomendam que os observadores celestes saiam depois que a estrela Lyra “subir no horizonte”, por volta de 23h (a hora exata muda de lugar para lugar) e irá ser visível até antes do amanhecer. Recomenda-se que se aguarde trinta minutos para que os olhos se ajustem a escuridão, e olhar para o radiante, na direção norte-nordeste (sigla NNE), acima da estrela Vega. O horário de picos dos meteoros, segundo a NASA é entre 2:30 e 4:30 da madrugada, assim que Vega estiver bem acima do horizonte.

O Cometa Thatcher em 1 de janeiro de 1861, o ano do sua última (e única) passagem observada. Imagem via JPL Small-Body Database.

Ao contrário da quadrantídeos de janeiro, que têm um pico curto, os Lyrids geralmente oferecem boas taxas de meteoros por três noites durante a noite de atividade máxima. Os meteoros parecem bastante rápidos, entrando na atmosfera a cerca de 48 quilômetros por segundo (30 milhas por segundo).

Como ver o Líridas?
Você não precisa de nenhum equipamento especial ou muita habilidade para ver uma chuva de meteoros. Mesmo que tudo o que você realmente precise seja um céu claro, muita paciência, e de um prático site de previsão do tempo e do mapa Mapa Celeste de Meteoros Interativo do site Time and Date com um medidor de condições de visibilidade para ver uma chuva de meteoros. As dicas a seguir podem ajudar a maximizar sua experiência visual.

  • Encontre um local de visualização isolado, longe das luzes da cidade. Uma vez no local, seus olhos podem levar de 15 a 30 minutos para se acostumar com o escuro.
  • Vista-se para o clima e certifique-se de que você está confortável, especialmente se você planeja ficar ao relento por muito tempo.
  • Leve um cobertor ou uma cadeira confortável com você. A observação de meteoros pode ser um jogo de espera.
  • Depois de ter encontrado o seu local de visualização, deite-se no chão e olhe para cima na direção do radiante. Use o Mapa Celeste de Meteoros Interativo acima para encontrar a direção atual do radiante no céu.

É da constelação de Vega, Lyra, que a chuva de meteoros Líridas leva o seu nome. Bons céus!