Saúde & Bem-EstarCientistas conseguem restaurar algumas atividades do cérebro de um porco horas após sua morte

Desafiando suposições médicas sobre a função cerebral após a morte, pesquisadores foram capazes de restaurar a atividade nas células e a circulação sanguínea em um cérebro de porco quatro horas após o animal ter morrido.
Redação5 meses atrás6 min
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/04/SEC_63087804.jpg

Os pesquisadores obtiveram o cérebro de um frigorífico e o armazenaram em uma solução especial. Pensou-se que uma vez que o fluxo sanguíneo e o oxigênio parassem, certas funções celulares cessariam permanentemente. No entanto, neste estudo, que foi relatado na Nature, muitos desses processos celulares começaram novamente.

“O cérebro intacto de um grande mamífero mantém uma capacidade anteriormente subestimada de restauração da circulação e certas atividades moleculares e celulares após várias horas da parada circulatória”, disse o autor principal do trabalho, Nenad Sestan, professor de neurociência, medicina comparada, genética, e psiquiatria na Yale School of Medicine.

O cérebro como um todo não mostrou nenhum sinal de atividade elétrica global como o que seria esperado durante a função cerebral normal.

“Em nenhum momento observamos o tipo de atividade elétrica organizada associada à percepção ou consciência”, observou o co-autor do estudo, Zvonimir Vrselja, um pesquisador associado. “Clinicamente definido, este não é um cérebro vivo, mas é um cérebro celularmente ativo”.

Quando o fluxo sanguíneo para e as células param de receber oxigênio fresco, a atividade elétrica no cérebro para, as reservas de energia se esgotam e a consciência termina. Pensou-se que várias cascadas de morte e ferimentos foram ativadas e o dano irreversível iniciou-se em grande escala.

No laboratório de Sestan, cientistas estavam investigando a evolução e o desenvolvimento do cérebro, e observaram sinais de viabilidade em amostras post-mortem que foram tomadas horas após a morte.

Eles reuniram os cérebros de porco de uma fábrica de produção de alimentos para aprender mais. Os pesquisadores desenvolveram uma solução projetada para preservar o tecido cerebral e conectaram a vasculatura para circular no cérebro em um processo chamado BrainEx. Eles foram capazes de preservar a integridade neuronal e, em seguida, restaurar algumas funções limitadas. Seus esforços podem ajudar os pesquisadores a aprender mais sobre o cérebro dos mamíferos, que tem sido difícil de preservar em parte devido ao seu tamanho. Pode ajudar a desenvolver maneiras de salvar a função cerebral em vítimas de acidente vascular cerebral.

“Anteriormente, só fomos capazes de estudar células no cérebro de grandes mamíferos sob condições estáticas ou bidimensionais, utilizando pequenas amostras de tecido fora de seu ambiente nativo”, disse o co-primeiro autor do estudo, Stefano G. Daniele, candidato a PhD. “Pela primeira vez, somos capazes de investigar um grande cérebro em três dimensões, o que aumenta nossa capacidade de estudar interações celulares e conectividade complexas”.

“Esta linha de pesquisa traz esperança para o avanço da compreensão e tratamento dos distúrbios cerebrais e pode levar a uma maneira totalmente nova de estudar o cérebro humano após a morte”, disse Andrea Beckel-Mitchener, chefe de neurogenômica funcional do National Institute of Mental Health. [ AAAS/Eurekalert!, Yale UniversityNature, Labroots]


Nenad Sestan, et al., “Restoration of brain circulation and cellular functions hours post-mortem,” Nature volume 568, pages 336–343 (2019).

Posts relacionados