Nave espacial israelense se choca durante tentativa de pouso na Lua
 

AeroespacialNave espacial israelense se choca durante tentativa de pouso na Lua

A primeira tentativa privada de pousar uma espaçonave na Lua chegou a um triste final.
Redação12 de abril de 201920 min

A primeira tentativa privada de pousar uma espaçonave na Lua chegou a um triste final hoje depois que a espaçonave Beresheet não conseguiu aterrissar com sucesso, informou a israelense SpaceIL.

A tentativa de Israel de pousar na Lua falhou no último minuto nesta quinta-feira, quando a aeronave sofreu uma falha no motor enquanto se preparava para aterrissar e caiu na superfície lunar.

“Nós não conseguimos, mas efetivamente tentamos”, disse, ao New York Times, o criador do projeto e patrocinador, Morris Kahn, em um vídeo ao vivo do controle da missão perto de Tel Aviv.

“Acho que a conquista de chegar aonde chegamos é realmente tremenda, acho que podemos nos orgulhar”, disse ele.

Durante o controle de transmissão, a equipe pôde ser ouvida dizendo que os motores tinham como objetivo retardar a descida da Beresheet e que permitiriam uma aterrissagem suave falharam e o contato com a nave havia sido perdido.

“Se na primeira você não conseguir, tente novamente”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, da sala de controle, onde estivera acompanhando o embaixador dos EUA em Israel, David Friedman.

A ONG israelense SpaceIL e a estatal Israel Aerospace Industries (IAI), os dois principais parceiros no projeto, descreveram a Beresheet  como a “primeira espaçonave do mundo construída em uma missão não-governamental”.

Khan, empreendedor da área de telecomunicações e presidente do conselho de administração da SpaceIL, colocou cerca de US$ 40 milhões dos US$ 100 milhões do orçamento do projeto. Outros parceiros que aderiram mais tarde são do “setor privado, governo e universidade”, segundo o site do IAI.

“Não deixem de acreditar! Chegamos tão perto, mas infelizmente não tivemos êxito no processo de pouso.”, a SpaceIL publicou em sua conta no Twitter.
 

Pouco antes da tentativa de aterrissagem, Netanyahu disse que estava pensando em iniciar um projeto espacial nacional. A última imagem recebida da espaçonave, mostrada acima, é de uma altitude de 21 metros (13,2 milhas) acima da superfície lunar.

“Estou pensando seriamente em investir em um programa espacial”, disse ele no transmissão pela internet. “Isso tem implicações nacionais para Israel e implicações para a humanidade”, explicou Netanyahu, segundo informou o canal France 24.

Condolências

Detalhes precisos sobre o que deu errado com Beresheet (uma palavra hebraica que significa “Gênesis” ou, literalmente, “no começo”) ainda são desconhecidos.

A Beresheet capturou esta imagem durante a sua descida até a superfície da Lua! (Crédito de imagem: SpaceIL.)

O administrador da NASA Jim Bridenstine twittou suas condolências pela forma como a missão terminou. “Enquanto a NASA lamenta o fim da missão da equipe SpaceIL sem um pouso bem-sucedido, parabenizamos a SpaceIL, a Israel Aerospace Industries e o estado de Israel pela realização do primeira missão privada em órbita lunar ”, escreveu Bridenstine.“A espaçonave pousará de forma autônoma”, disse, à rede CBS News, Ido Anteby, CEO da SpaceIL, antes da tentativa de pouso. “Na verdade, mandaremos um comando para pousar, e ele vai pousar por si só. Nós nunca testamos isso, então não temos certeza de como isso funcionará. Fizemos muitos experimentos e muitos testes em laboratório usando um simulador, mas nunca testamos a espaçonave em condições reais de pouso na Lua”.

Tentativa de pouso

O aterrissador Beresheet, lançado em 21 de fevereiro como uma carga secundária a bordo como foguete Falcon 9 da SpaceX adentrou em órbita lunar em 04 de abril. Com vários disparos subsequentes dos seus motores, os controladores de voo da Israel Aerospace Industries, construtor da espaçonave, fizeram os ajustes sua órbita para preparar o terreno para o pouso.

Os gerentes da missão miraram uma área de aterrissagem de 19 milhas de largura livre de crateras no Mare Serenitatis como alvo de Beresheet. Um local que é relativamente livre de obstáculos e é banhado pela luz do Sol para carregar as baterias da nave.

Começando a uma altitude de cerca de 24 metros (15 milhas), a cerca de 500 quilômetros do local de pouso, os propulsores de manobra da Beresheet dispararam para mudar a orientação da espaçonave, colocando seu motor principal na direção da viagem final.

Um modelo em escala real do módulo aterrissador Beresheet. (Crédito: By TaBaZzz – Own work, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=76804285)

Após as checagens finais, o computador de voo acionou o motor principal para iniciar a descida autônoma até a superfície. Mas a uma altitude de cerca de 13 metros (8,3 milhas), algo deu errado e o pouso terminou com um impacto da nave em solo lunar. Exatamente o que aconteceu, e onde a espaçonave caiu, não foi imediatamente conhecido.

Contudo, foi relatado, com base nas informações da transmissão ao vivo, que uma unidade de medida inercial (IMU, sigla para Inertial Measurement Unit, equipamento normalmente usado para manobrar aeronaves com base em uma séries de dados do voo) falhou e que a equipe não conseguiu redefinir o componente devido a uma perda repetida de comunicações.

Leia também “Israel realiza o primeiro pouso privado de uma sonda lunar”

Objetivos e importância da missão

O primeiro trabalho do módulo lunar (sem nome) da Beresheet em órbita da Lua foi ligar suas câmeras de alta resolução e tirar algumas fotos, inclusive uma selfie — registrada antes do acidente. Em seguida, a tarefa seria medir o campo magnético do local definido para aterrissagem, uma área conhecida como Mare Serenitatis.

A Beresheet planejara pousar sem proteção térmica, mesmo com as extremas temperaturas na Lua. Assim, à medida que o Sol surgisse, a nave espacial provavelmente não sobreviveria ao calor. O módulo de aterrissagem teria ficado em funcionamento por apenas dois dias, mas o retrorefletor a laser que ele carregava funcionaria por várias décadas. Esse refletor da NASA serviria para ajudar os cientistas a fazer medições precisas da distância entre a Terra e a Lua.

Monica Grady, professora de ciência planetária e espacial na Open University, disse à BBC que estaria “olhando para o local de pouso com muita atenção”. Isso ajudaria a “descobrir como as medidas magnéticas da Lua se encaixam com sua geologia e a geografia, o que é realmente importante para entender como a Lua se formou”.

A sonda lunar Beresheet de Israel tirou uma selfie e um “Earthie” a caminho da Lua. (Crédito de imagem: Agência Espacial de Israel, SpaceIL.)

Somente a Rússia, os Estados Unidos e a China já realizaram a jornada de 384.000 quilômetros e pousaram na Lua. A índia também já esteve por lá, mas em órbita. A ex-União Soviética alcançou o primeiro pouso suave com sua espaçonave Luna 9 em 1966. Em seguida, a NASA levou os primeiros humanos à Lua em 1969. Em 2008, a ISRO agência espacial indiana disparou uma sonda de impacto que colidiu intencionalmente no pólo sul da Lua. E, mais recentemente, a espaçonave chinesa Chang’e-4 pousou no lado mais distante da Lua no começo deste ano.

Se o pouso da Beresheet tivesse dado certo, Israel entraria para esse clube de elite. Mas foi o preço baixo e o fato de a missão não ter sido financiada por uma grande agência espacial que foram mais significativas para a missão.

O módulo de aterrissagem

A módulo de aterrissagem da Beresheet teria sido a menor espaçonave a pousar na Lua. Ele pesava 585 kg (1.290 libras) quando foi lançado, mas muito disso era combustível, e seu peso na descida era de cerca de 150 kg (330 libras.) quando atingisse a superfície lunar.

De muitas maneiras, a missão ainda era um sucesso. Mesmo sem um pouso bem-sucedido, ainda cumpriu seu objetivo de promover a educação STEM (sigla inglesa do conjunto de áreas Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) entre os jovens israelenses.

Beresheet não estava sozinho na busca de exploração lunar de baixo custo. Suas origens estão na competição internacional Google Lunar XPrize, um desafio que ofereceu US$ 20 milhões pela primeira espaçonave desenvolvida em particular para aterrissar na Lua. Beresheet foi um dos finalistas do prêmio.

Já que a competição terminou no ano passado, depois que nenhum dos participantes finalistas terem conseguido cumprir o prazo regulamentar. Contudo, outras equipes envolvidas no concurso do Google também continuaram com seus esforços para chegar à Lua. A BBC informou que a empresa anunciou que concederá US$ 1 milhão à equipe do projeto da Beresheet.

“Acabei de receber da equipe de comunicação do SpaceIL o que parece ser a última imagem que a nave espacial #Beresheet conseguiu enviar para a Terra antes de cair na superfície lunar”, escreveu Elad Ratson, ministro das relações exteriores de Israel, em sua conta no Twitter.

Tanto a NASA quanto a ESA, a agência espacial europeia, também divulgaram suas intenção de usar serviços de empresas privadas para enviar cargas científicas até a superfície lunar.

Mais detalhes surgirão nos próximos dias sobre o que exatamente aconteceu durante a descida. Mas o que quer que tenha acontecido, os três engenheiros por trás do projeto podem certamente manter a cabeça erguida.

Até agora, apenas sete nações orbitaram a Lua, o que significa que Israel ainda tem um mérito pelo seu proverbial feito. Mas, infelizmente, não aquele que pretendia.