AstronomiaTelescópio da ESO captura o último suspiro de uma estrela moribunda

O Very Large Telescope do ESO capturou esta concha de gás ionizado incandescente - o último suspiro da estrela moribunda cujos restos latentes são visíveis no coração desta imagem.
Redação4 meses atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/03/A-Fleeting-Moment-in-Time-777x846.jpg

O brilho fraco e efêmero que emana da nebulosa planetária ESO 577-24 persiste por pouco tempo – cerca de 10 mil anos, um piscar de olhos em termos astronômicos. O Very Large Telescope do ESO capturou esta concha de gás ionizada incandescente – o último suspiro da estrela moribunda cujos restos latentes são visíveis no coração desta imagem. À medida que a camada gasosa dessa nebulosa planetária se expande e se torna mais fraca, ela desaparece lentamente da vista.

Uma camada evanescente de gás incandescente se espalhando pelo espaço – a nebulosa planetária ESO 577-24 – domina essa imagem. Esta nebulosa planetária é o que resta de uma estrela gigante morta que se desprendeu de suas camadas externas, deixando para trás uma pequena estrela anã intensamente quente. Este remanescente diminuído esfria gradualmente e desvanece-se, vivendo seus dias como o mero fantasma de uma estrela gigante vermelha outrora vasta.

Gigantes vermelhas são estrelas no final de suas vidas que esgotaram o combustível de hidrogênio em seus núcleos e começaram a se contrair sob o domínio esmagador da gravidade. Quando uma gigante vermelha encolhe, a imensa pressão reacende o núcleo da estrela, fazendo com que ela jogue suas camadas externas no vazio como um poderoso vento estelar. O núcleo incandescente da estrela moribunda emite radiação ultravioleta intensa o suficiente para ionizar essas camadas ejetadas e fazê-las brilhar. O resultado é o que vemos como uma nebulosa planetária – um testamento final e passageiro de uma antiga estrela no final de sua vida.

Esta deslumbrante nebulosa planetária foi descoberta como parte da National Geographic Society – Palomar Observatory Sky Survey nos anos 50, e foi registrada no Catálogo Abell de Nebulosas Planetárias em 1966. Por volta de 1400 anos-luz da Terra, o brilho fantasmagórico do ESO 577- 24 só é visível através de um poderoso telescópio. À medida que a estrela anã esfria, a nebulosa continuará a se expandir para o espaço, desaparecendo lentamente da vista.

Esta imagem do ESO 577-24 foi criada como parte do Programa Cosmic Gems do ESO, uma iniciativa que produz imagens de objetos interessantes, intrigantes ou visualmente atrativos usando os telescópios do ESO para fins de educação e divulgação pública. O programa faz uso do tempo de telescópio que não pode ser usado para observações científicas; no entanto, os dados recolhidos são disponibilizados aos astrónomos através do ESO Science Archive.