Horário de verão é responsável pela morte de milhares de pessoas todos os anos, segundo pesquisa

Horário de verão é responsável pela morte de milhares de pessoas todos os anos, segundo pesquisa

A pesquisa mostra que o custo do horário de verão - tanto humano quanto econômico - é incrivelmente alto.

14210 0

Se você pensar na mudança para o horário de verão, provavelmente considerará um aborrecimento que faz com que você perca um pouco de sono ou se atrase para o almoço porque esqueceu de acertar o relógio na sua sala de estar. Mas quando os cientistas observam atentamente as consequências de arrumar os relógios uma hora por ano, descobrem uma série de fatos quase inacreditavelmente assustadores.

POR QUE O HORÁRIO DE VERÃO É UM ASSASSINO SECRETO

O primeiro deles é o custo da mudança na vida humana. Isso mesmo. O horário de verão parece uma coisa pequena, mas de acordo com estudos rigorosos, na verdade, é um assassino. Como o pesquisador do sono, Matthew Walker, explica, em seu livro Por que dormimos (traduzido para o português pela Instrínseca), que perder apenas uma hora de sono estressa o sistema cardiovascular, o que pode fazer com que algumas pessoas tenham problemas cardíacos além do limite. É por isso que o número de ataques cardíacos aumenta significativamente no dia seguinte ao adiantarmos os relógios.

Uma tendência semelhante aparece quando os cientistas analisam as estatísticas de acidentes. Uma hora perdida não parece ser suficiente para causar sonolência ao dirigir, mas se realmente fosse esse o caso, por que o número de acidentes de trânsito dispara no dia após o horário de verão nos hemisférios norte e sul? Acidentes industriais mortais também aumentam acentuadamente. Os especialistas estão convencidos de que a hora perdida do sono é muito mais importante do que a maioria de nós imagina.

UM PROBLEMA DE 434 MILHÕES DE DÓLARES

As estatísticas sobre as mortes relacionadas com o horário de verão são as mais alarmantes, mas aquelas sobre o custo econômico da mudança também são surpreendentes. Escrevendo no blog The Conversation, o psicólogo organizacional da Universidade de Oregon, David Wagner, explica como as buscas na Internet por conteúdos que causam distração aumentam entre 3% e 6% na segunda-feira após o início do horário de verão, presumivelmente porque os funcionários estão com dificuldade de trabalhar.

Isso soa como uma quantia modesta, mas quando você calcula o custo econômico de todo aquele pensamento difuso e vídeos de gatos, e então aumenta o custo de todos os ataques cardíacos adicionais, os números são surpreendentemente altos. “Os economistas estimam que a mudança anual na primavera custa à economia americana US $ 434 milhões a cada ano“, declara Wagner.

E isso não é sequer uma contabilidade completa dos custos. Em outro estudo, Wagner e seus colegas testaram a capacidade dos voluntários de tomar decisões éticas duras um dia depois de os relógios forem adiantados, e descobriram que as pessoas estavam menos preocupadas com questões morais depois de perder aquela hora de sono. Outros pesquisadores mostraram que os juízes distribuem sentenças que são cinco por cento mais longas após o início do horário de verão.

A mudança, em outras palavras, não apenas aumenta suas chances de morte e nos torna um pouco mais pobres, mas também nos torna um pouco menos gentis e éticos.

HORA DE PARAR DE MUDAR OS RELÓGIOS?  

A sociedade pode suportar esses custos? Claro, provavelmente. Mas, como Wagner aponta, poderíamos também consertar o problema de maneira incrivelmente fácil: “Embora os resultados negativos sejam variados, a solução singular parece bastante simples: em vez de mudar os relógios, devemos mudar a política pública.” Apenas abandone o horário de verão.

Se você estiver preocupado sobre como a configuração dos relógios pode afetar sua saúde ou tomada de decisões, você pode tentar antecipar-se, aclimatando-se ao novo horário nos dias que antecederam a mudança. [Inc]


O artigo foi baseado em informações expostas no livro “Por que dormimos”, citado na publicação, e dados, estatísticas e informações adicionais estão nos links (marcados em vermelho). Além do livro citado, há o ensaio de David Wagner para o The Conversation (linkado no post) expondo mais evidências acerca do assunto, citando fontes como o National Institute of Occupational Safety and Health, Centers for Disease Control and Prevention e American Psychological Association.

Abaixo, alguns artigos essenciais que foram linkados.
Changing to daylight saving time cuts into sleep and increases workplace injuries.
Short Sleep Duration Among US Adults.
The dark side of daylight saving time.

Publicação arquivada em