A ideia de criar um universo no laboratório não é brincadeira

A ideia de criar um universo no laboratório não é brincadeira

A possibilidade de criar um universo em um laboratório, todo um novo cosmo que poderia um dia evoluir suas próprias estrelas, planetas e vida inteligente, levanta questões relevantes.

4412 0

De Zeeya Merali para o Aeon

Os físicos nem sempre são repreendidos por usarem o humor picante em seus escritos acadêmicos, mas em 1991 foi exatamente isso que aconteceu com o cosmólogo Andrei Linde, da Universidade de Stanford. Ele havia submetido um artigo preliminar intitulado ‘Hard Art of the Universe Creation’ para a revista Nuclear Physics B. Nele, ele delineou a possibilidade de criar um universo em um laboratório: todo um novo cosmo que poderia um dia evoluir suas próprias estrelas, planetas e vida inteligente. Perto do final, Linde fez uma sugestão aparentemente irreverente de que nosso próprio Universo poderia ter sido feito por um “hacker físico” alienígena. Os editores do jornal se opuseram a essa ‘piada suja’; as pessoas religiosas podem ficar ofendidas porque os cientistas estavam tentando roubar a façanha de fazer o universo das mãos de Deus, eles se preocuparam. Linde mudou o título e o resumo do artigo, mas manteve firme a linha de que o nosso Universo poderia ter sido feito por um cientista alienígena. “Não tenho tanta certeza de que isso seja apenas uma piada”, ele me disse.

Avançando um quarto de século e a noção de criação do universo — ou “cosmogênese” como a apelido — parece menos cômica do que nunca. Eu viajei pelo mundo conversando com físicos que levaram o conceito a sério, e que até mesmo esboçaram planos aproximados de como a humanidade poderia um dia alcançá-lo. Os editores da Stanford poderiam estar certos em se preocupar com a ideia de Linde, mas eles estavam fazendo as perguntas erradas. A questão não é quem pode ser ofendido pela cosmogênese, mas o que aconteceria se fosse realmente possível. Como poderíamos lidar com as implicações teológicas? Quais responsabilidades morais viriam com humanos falíveis assumindo o papel de criadores cósmicos?

Físicos teóricos lutaram durante anos com questões relacionadas como parte de suas considerações sobre como nosso próprio Universo começou. Na década de 1980, o cosmólogo Alex Vilenkin, da Universidade Tufts, em Massachusetts, inventou um mecanismo pelo qual as leis da mecânica quântica poderiam ter gerado um universo inflável a partir de um estado no qual não havia tempo nem espaço nem matéria. Há um princípio estabelecido na teoria quântica de que pares de partículas podem surgir espontaneamente, momentaneamente, do espaço vazio. Vilenkin levou essa noção um passo adiante, argumentando que as regras quânticas também poderiam permitir que uma minúscula bolha do próprio espaço explodisse do nada, com o ímpeto de então inflar para escalas astronômicas. Nosso cosmos poderia assim ter sido criado apenas pelas leis da física. Para Vilenkin, esse resultado pôs fim à questão do que veio antes do Big Bang: nada. Muitos cosmologistas fizeram as pazes com a noção de um universo sem um motor principal, divino ou não.

No outro extremo do espectro filosófico, eu me encontrei com Don Page, um físico e cristão evangélico da Universidade de Alberta, no Canadá, conhecido por sua colaboração precoce com Stephen Hawking sobre a natureza dos buracos negros. Para Page, o ponto saliente é que Deus criou o Universo ex nihilo – de absolutamente nada. O tipo de cosmogênese imaginada por Linde, em contraste, exigiria que os físicos inventassem seu cosmos em um laboratório altamente técnico, usando um primo muito mais poderoso do Grande Colisor de Hádrons, localizado perto de Genebra. Também exigiria uma partícula de semente chamada “monopolo” (que se supõe existir em alguns modelos de física, mas ainda não foi encontrada).

ideia é que, se pudéssemos transmitir energia suficiente para um monopolo, ele começaria a inflar. Em vez de crescer em tamanho dentro do nosso Universo, o monopolo em expansão dobraria o espaço-tempo dentro do acelerador para criar um minúsculo túnel de minhoca que levaria a uma região separada do espaço. De dentro do nosso laboratório, veríamos apenas a boca do buraco de minhoca; nos pareceria um mini buraco negro, tão pequeno que seria totalmente inofensivo. Mas se pudéssemos viajar para aquele buraco de minhoca, passaríamos por um portal para um universo infantil em rápida expansão que havíamos criado. (Este vídeo ilustrando esse processo fornece alguns detalhes adicionais.)

Não temos motivos para acreditar que mesmo os mais avançados hackers da física possam conjurar um cosmo do nada, argumenta Page. O conceito de cosmogênese de Linde, por mais ousado que seja, ainda é fundamentalmente tecnológico. Page, portanto, vê pouca ameaça à sua fé. Nesta primeira questão, então, a cosmogênese não necessariamente perturbaria as visões teológicas existentes.

Mas, invertendo o problema, comecei a me perguntar: quais são as implicações de seres humanos somente considerar a possibilidade de um dia fazer um universo que pudesse ser habitado por vida inteligente? Como eu discuto em meu livro Um Big Bang em uma pequena sala (tradução direta), a teoria atual sugere que, uma vez que tenhamos criado um novo universo, teríamos pouca capacidade de controlar sua evolução ou o sofrimento potencial de qualquer de seus residentes. Isso não nos tornaria divindades irresponsáveis ​​e imprudentes? Eu fiz a pergunta para Eduardo Guendelman, físico da Universidade Ben Gurion, em Israel, que foi um dos arquitetos do modelo de cosmogênese nos anos 80. Hoje, Guendelman está envolvido em pesquisas que poderia trazer a criação do universo bebê ao alcance prático. Fiquei surpreso ao descobrir que as questões morais não lhe causaram nenhum desconforto. Guendelman compara cientistas que refletem sobre a responsabilidade de criar um universo infantil com os pais que decidem se querem ou não ter filhos, sabendo que irão inevitavelmente apresentá-los a uma vida cheia de dor e alegria.

Outros físicos são mais cautelosos. Nobuyuki Sakai, da Universidade de Yamaguchi, no Japão, um dos teóricos que propôs que um monopolo poderia servir como semente para um universo infantil, admitiu que a cosmogênese é uma questão espinhosa que devemos “nos preocupar” enquanto sociedade no futuro. Mas ele absolveu-se de quaisquer preocupações éticas hoje. Embora ele esteja realizando os cálculos que permitem a cosmogênese, ele observa que serão necessárias décadas antes que tal experimento possa ser realizado. Preocupações éticas podem esperar.

Muitos dos físicos que me aproximei estavam relutantes em entrar em tais dilemas filosóficos em potencial. Então eu me voltei para um filósofo, Anders Sandberg, da Universidade de Oxford, que contempla as implicações morais da criação de vida artificial senciente em simulações de computador. Ele argumenta que a proliferação da vida inteligente, independentemente da forma, pode ser tomada como algo que tem valor inerente. Nesse caso, a cosmogênese pode, na verdade, ser uma obrigação moral.

Olhando para as minhas numerosas conversas com cientistas e filósofos sobre essas questões, concluí que os editores da Nuclear Physics B prestaram um desserviço tanto à física quanto à teologia. Seu pequeno ato de censura serviu apenas para sufocar uma discussão importante. O perigo real está em promover um ar de hostilidade entre os dois lados, deixando os cientistas com medo de falar honestamente sobre as conseqüências religiosas e éticas de seu trabalho por causa de preocupações de represália ou ridicularização profissional.

Nós não estaremos criando universos bebês tão cedo, mas os cientistas em todas as áreas de pesquisa devem se sentir capazes de articular livremente as implicações de seu trabalho sem a preocupação de causar ofensa. A cosmogênese é um exemplo extremo que testa o princípio. Questões éticas paralelas estão em jogo nas perspectivas mais imediatas de criar inteligência artificial ou desenvolver novos tipos de armas, por exemplo. Como Sandberg colocou, embora seja compreensível que os cientistas se afastem da filosofia, com medo de serem considerados estranhos por se desviarem de sua zona de conforto, o resultado indesejado é que muitos deles ficam quietos sobre as coisas que realmente importam.

Quando eu saí do escritório de Linde em Stanford, depois de termos passado um dia discutindo sobre a natureza de Deus, universo e universos bebês, ele apontou para minhas anotações e comentou pesaroso: ‘se você quer que minha reputação seja destruída, eu acho você tem o material suficiente’. Esse sentimento foi ecoado por vários cientistas que conheci, sejam eles identificados como ateus, agnósticos, religiosos ou nenhum dos anteriores. A ironia foi que, se eles se sentissem aptos a compartilhar seus pensamentos um com o outro tão abertamente quanto tinham comigo, saberiam que não estavam sozinhos entre seus colegas, refletindo sobre algumas das maiores questões de nosso ser.

Zeeya Merali é escritora freelancer e autora de A Big Bang in a Little Room: The Quest to Create New Universes (2017). Seu trabalho foi publicado na Nature, Scientific American, Discover, Science, New Scientist e na BBCEla também publicou dois livros com a National Geographic e trabalhou na série de televisão da NOVA, The Fabric of the Cosmos (2012). Ela tem um PhD em cosmologia teórica e vive em Londres.

Aeon counter – do not remove

Publicação arquivada em