CiênciaSonda Solar da NASA voa por Vênus em seu caminho para ‘tocar’ o Sol

O registro do primeiro sobrevoo de Vênus da sonda espacial da NASA que irá “tocar” o Sol é oficial.
Diógenes Henrique8 meses atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/11/Sem-título-1280x813.png

O registro do primeiro sobrevoo de Vênus da sonda espacial da NASA que irá “tocar” o Sol é oficial. A Sonda Parker Solar da NASA realizou com sucesso seu primeiro sobrevoo em Vênus em 3 de outubro de 2018, enquanto a espaçonave se dirige para o Sol. A espaçonave será a primeira a voar através da atmosfera externa da nossa estrela. Mais outros seis sobrevoos em Vênus estão planejados.

De Nola Taylor Redd para o Space.com

A Sonda Parker Solar (PSP, sigla inglesa para “Parker Solar Probe”), da agência espacial dos Estados Unidos, passou a 2.400 quilômetros (1.500 milhas) de Vênus, como planejado, na manhã do dia 3 de outubro, recebendo em sua órbita uma ajuda da gravidade do planeta, informaram as autoridades da NASA.

Impressão artística da Sonda Solar Parker da NASA, lançada em 11 agosto de 2018 (verão de 2018 no hemisfério norte), com o Sol ao fundo. Crédito: NASA / Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory

A espaçonave, portanto, permanece em curso para seu primeiro encontro com as proximidades do Sol, o qual é esperado para ocorrer de 31 de outubro a 11 de novembro. Durante este trecho de 12 dias, a Sonda Solar Parker reunirá uma grande quantidade de dados sobre o Sol, registrando dados científicos sobre estrutura, composição e atividade do astro-rei.

A espaçonave, que foi lançada em 12 de agosto deste ano, tem muitos outros encontros como esse — um total de 24 nos próximos sete anos. E haverá mais seis sobrevoos em Vênus, que servirão para encolher a órbita da Sonda Solar Parker, permitindo que ela se aproxime cada vez mais da estrela ao longo do tempo.

Durante a aproximação final, planejada para o encerramento da missão em 2025, por exemplo, a espaçonave fará um zoom em 6,16 milhões de quilômetros (3,86 milhões de milhas) da superfície do Sol. Por uma perspectiva, o recorde atual de proximidade — que a Parker quebrará no final deste mês, a propósito — é de 43 milhões de quilômetros (27 milhões de milhas), estabelecido pela missão alemã-estadunidense Helios 2 em 1976. Por isso, os cientistas e a imprensa especializada dizem que a missão irá “tocar” o Sol.

A Parker Solar Probe, da NASA, usará sete sobrevoos de Vênus ao longo de quase sete anos para reduzir gradualmente A sua órbita ao redor do Sol, chegando a 6,16 milhões de quilômetros (3,86 milhões de milhas) da superfície do Sol. O primeiro desses sobrevoos em Vênus ocorreu em 3 de outubro de 2018. Crédito: NASA / Johns Hopkins APL

Quando tudo estiver dito e feito, os dados coletados pela missão devem melhorar muito a compreensão dos cientistas sobre o Sol e o clima espacial, disseram as autoridades da NASA. Por exemplo, a Sonda Solar Parker pode ajudar a resolver dois enigmas solares de longa data: por que a atmosfera exterior do Sol, ou corona, é muito mais quente do que a superfície; e como, exatamente, as partículas carregadas que compõem o vento solar são aceleradas a suas velocidades impressionantes.

Fonte: Space.com. Imagem de capa: Impressão artística da Sonda Parker Solar, da Nasa. Crédito: NASA/Johns Hopkins APL/Steve Gribben.