CulturaMovimentos anti-vacinas fizeram 37 pessoas morrerem de sarampo este ano na Europa

A razão para a gravidade do surto é a queda nas taxas de vacinação.
Redação8 meses atrás
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/11/measles-thorax-infection-woman_1024-1024x415.jpg

Um surto de sarampo está devastando toda a Europa, cobrando um preço enorme. Nos primeiros seis meses de 2018, houve 41.000 casos registrados da infecção viral facilmente evitável. Esse período de seis meses quase dobrou o maior número de casos em um ano desde 2010 – que era 23.927 em todos os 12 meses de 2017 – e perdeu 37 vidas para o sarampo. E de cordo com especialistas nos EUA, isso é o que a América poderia enfrentar também se os pais não vacinassem seus filhos.

“Temos uma situação muito séria”, disse o médico pediatra Alberto Villani, do Hospital Pediátrico Bambino Gesù, e o presidente da Sociedade Pediátrica Italiana, na Itália, à NBC.

“As pessoas estão morrendo de sarampo. Isso era inacreditável cinco ou dez anos atrás.”

E, sim, inequivocamente, a razão para a gravidade do surto é a queda nas taxas de vacinação. Para evitar surtos, pelo menos 95% da população precisa ser vacinada com duas doses da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR).

Em algumas partes da Europa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cobertura de vacinação é inferior a 70%.

“É o principal fator que leva aos surtos”, disse Anca Paduraru, da Comissão Europeia em Bruxelas, à NBC. “É inaceitável ter no século 21 doenças que deveriam e poderiam ter sido erradicadas”.

O sarampo já está em ascensão nos EUA. No ano passado, o pior surto de Minnesota em décadas, e no início deste ano, houve um surto em Nova York. Há um surto em andamento no Brooklyn agora, com seis casos surgindo na semana passada, todos eles em crianças não vacinadas (um jovem demais para ter sido vacinado).

No ano passado, o Centro de Controle de Doenças dos EUA estudou o crescente número de surtos de sarampo nos EUA e descobriu que 70% dos novos casos ocorrem em pacientes não vacinados.

Como relatamos então, o movimento cutivacinação vem crescendo nos últimos anos , em parte graças a um desonesto (e desde então retraído) estudo de 1998 do ex-médico Andrew Wakefield, que foi retirado do registro médico do Reino Unido por má conduta.

O estudo de Wakefield usou resultados deliberadamente falsificados para fazer a afirmação fraudulenta de que havia uma ligação entre a vacina MMR e o autismo – possivelmente para eliminar um rival pela vacina alternativa contra o sarampo que ele havia patenteado .

Embora pesquisas subsequentes tenham descoberto que não há absolutamente nenhuma ligação entre vacinas e autismo , não importa o causal, muitos ainda acreditam e se recusam a vacinar seus filhos – incluindo a vacina MMR.

O sarampo foi eliminado dos EUA – ou seja, nenhum novo caso é originado no país – mas surtos ocorrem quando ele é importado de fora. O surto de NYC foi causado por um turista, e o atual surto de Brooklyn foi o resultado de uma criança não vacinada viajando para uma área em Israel, atualmente em fase de surto de sarampo.

“O que está acontecendo na Europa está acontecendo agora nos EUA – em menor escala neste momento”, disse Peter Hotez , diretor do Centro Hospitalar Infantil do Texas para o Desenvolvimento de Vacinas da Faculdade de Medicina de Baylor.

Mas pode ficar muito pior se algo não for feito. Um documento de 2014 descobriu que os esforços para corrigir a desinformação eram totalmente inadequados em comparação com o esforço conjunto dos ativistas antivacinação, que usam a internet para divulgar sua mensagem anticiência.

Essa mensagem é muito mais perigosa do que você imagina no início: se apenas cinco por cento de uma comunidade se recusa a vacinar, isso pode ter um efeito desproporcional sobre a saúde pública, triplicando a taxa anual de sarampo.

Isso, por sua vez, não afeta apenas os pacientes, mas tem impacto em toda a comunidade – aumentando a carga hospitalar e custando uma estimativa conservadora de US $ 2,1 milhões para o setor de saúde pública.

O sarampo também é insanamente infeccioso – e potencialmente fatal, especialmente para crianças pequenas. Em 2016, houve 89.780 mortes por sarampo no mundo, a maioria em crianças com menos de 5 anos.

E na década anterior à introdução da vacina MMR em 1963, havia entre 300 e 700 mortes relatadas anualmente nos EUA devido ao sarampo.

“As pessoas não as veem e esquecem-se delas ou acham que as doenças não existem mais”, disse o professor de medicina Jeffrey D. Klausner, da Universidade da Califórnia, em Davis.

“Eles não percebem que seu filho está em risco de meningite por sarampo, encefalite e danos cerebrais permanentes”. [ScienceAlert]