Testes mostram que o cérebro humano precisa trabalhar duro para evitar o comportamento sedentário
 

EvoluçãoNeurociênciaTraduçõesTestes mostram que o cérebro humano precisa trabalhar duro para evitar o comportamento sedentário

Victor Hugo Joaquim30 de setembro de 20185 min

Se ir para a academia parece uma verdadeira luta, um pesquisador da University of British Columbia (UBC) quer que você saiba disso: a luta é real e está acontecendo dentro do seu cérebro.

O cérebro é onde Matthieu Boisgontier e seus colegas foram à procura de respostas para o que eles chamam de “paradoxo do exercício”: por décadas, a sociedade encorajou as pessoas a serem mais fisicamente ativas, mas as estatísticas mostram que apesar de nossas melhores intenções, estamos, na verdade, nos tornando menos ativos.

Os resultados da pesquisa, publicados recentemente na Neuropsychologia, sugerem que nossos cérebros podem simplesmente ser programado para preferir ficar deitado no sofá.

“Conservar energia tem sido essencial para a sobrevivência dos humanos, pois nos permitiu ser mais eficientes em busca de comida e abrigo, competindo por parceiros sexuais e evitando predadores”, disse Boisgontier, pesquisador de pós-doutorado no laboratório de comportamento cerebral da UBC e autor do estudo. “O fracasso das políticas públicas para neutralizar a pandemia da inatividade física pode ser devido a processos cerebrais que foram desenvolvidos e reforçados através da evolução.”

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram jovens adultos, sentaram na frente de um computador e deram a eles o controle de um avatar na tela. Eles então mostraram pequenas imagens, uma por vez, que mostravam atividade física ou inatividade física. Os sujeitos tinham que mover o avatar o mais rápido possível em direção às fotos da atividade física e longe das imagens de inatividade física – e vice-versa.

Enquanto isso, eletrodos gravaram o que estava acontecendo em seus cérebros. Os participantes eram geralmente mais rápidos em se mover em direção a fotos de atividade física e longe de imagens preguiçosas, mas leituras de atividade cerebral (eletroencefalogramas) mostraram que fazer isso era mais trabalhoso para o cérebro.

“Sabíamos de estudos anteriores que as pessoas são mais rápidas em evitar comportamentos sedentários e em direção a comportamentos ativos. A empolgante novidade de nosso estudo é que essa evitação mais rápida da inatividade física tem um custo – e isso é um aumento do envolvimento de recursos cerebrais”, disse Boisgontier. “Esses resultados sugerem que nosso cérebro é inatamente atraído por comportamentos sedentários”.

A questão agora é se o cérebro das pessoas pode ser re-treinado.

“Tudo o que acontece automaticamente é difícil de inibir, mesmo se você quiser, porque você não sabe que isso está acontecendo. Mas saber que isso está acontecendo é um primeiro passo importante”, disse Boisgontier.

Fonte: ScienceDaily

Referência: Boris Cheval, Eda Tipura, Nicolas Burra, Jaromil Frossard, Julien Chanal, Dan Orsholits, Rémi Radel, Matthieu P. Boisgontier. Avoiding sedentary behaviors requires more cortical resources than avoiding physical activity: An EEG studyNeuropsychologia, 2018; 119: 68 DOI: 10.1016/j.neuropsychologia.2018.07.029