Eclipse lunar mais longo do século encanta observadores
 

NotíciaEclipse lunar mais longo do século encanta observadores

Diógenes Henrique28 de julho de 20189 min

O eclipse lunar total mais longo do século 21 fascinou os observadores do céu ao redor do mundo na sexta-feira (27 de julho).

Com duração total de 1 hora e 43 minutos, este eclipse durou apenas quatro minutos mais curto que o maior evento possível calculado pelos astrônomos. Essa incrível duração permitiu que os espectadores de todo o mundo vissem o fenômeno, com observadores se reunindo em observatórios em toda a zona da totalidade ou, para aqueles com geografia não privilegiada, em sintonia com as transmissões ao vivo pela internet.

A duração extraordinariamente longa do eclipse foi causada por alguns fatores celestes especiais. A Lua estava perto de seu ponto mais distante da Terra e orbitava lentamente, já que no apogeu a velocidade do astro é menor. E isso fez com que ela parecesse menor e levasse mais tempo para viajar através da sombra da Terra. Além disso, a Terra estava perto de seu afélio, o ponto em sua órbita mais distante do Sol, fazendo com que sua sombra fique maior.

O eclipse lunar total de 27 de julho de 2018, visto de Roma. Marte também é claramente visível nesta foto, que foi capturada e compartilhada em um webcast do astrofísico Gianluca Masi, do The Virtual Telescope Project. Imagem original. Crédito: Gianluca Masi/Virtual Telescope Project

O eclipse começou oficialmente às 14h14 no horário de Brasília (1714 GMT), de acordo com a NASA, e a Lua lentamente se esgueirou para a sombra da Terra, adentrando para a região da sombra denominada de penumbra e começou a escurecer, para posteriormente ficar avermelhada. Mas o ponto alto do show começou às 16h30 (1930 GMT), quando a totalidade iniciou e a Lua estava indo se abrigar na sombra da Terra, na região do cone de sombra denominado umbra.

Por causa do horário, devido à luz do dia, os observadores na América do Norte e a maior parte da América do Sul perderam boa parte do fenômeno e não o viram pessoalmente. Mas os astrônomos armados com telescópios em todo o mundo compartilharam seus pontos de vista e seu entusiasmo.

“À esquerda, você tem o incrível e maravilhoso Coliseu, um mero coadjuvante, e dominando a cena está a Lua”, disse Gianluca Masi, do Projeto Telescópio Virtual (Virtual Telescope Project), durante a transmissão ao vivo pela internet da organização, que compartilhou a visão de um telescópio localizado no antigo Fórum Romano. “Olha, amigos, isso é realmente incrível”, acrescentou ele pouco antes de a totalidade começar.

O astronauta da Agência Espacial Européia, Alexander Gerst, capturou esta visão do eclipse lunar de 27 de julho de 2018 a partir da Estação Espacial Internacional (ISS). Imagem original. Crédito: Alexander Gerst / ESA / via Twitter

A Lua permaneceu na região da umbra ou totalmente eclipsada até as 18h13 (2113 GMT), com o eclipse no seu máximo as 17h21 da tarde (2021 GMT). O evento terminou oficialmente às 20h28 (2328 GMT), quando a Lua saiu completamente da sombra da Terra, terminando sua passagem pela penumbra.

O eclipse lunar foi apenas metade do espetáculo celestial do dia: os observadores também tiveram uma visão incrível do planeta Marte brilhante, que estava em oposição.

Crédtio: u/YahyaJ/Reddit

Os terráqueos verão novamente um eclipse lunar total em 21 de janeiro de 2019 e, ao contrário do evento de hoje, esse eclipse será visível para os observadores norte-americanos. .

Fontes: Space.com NASA.