10 documentos antigos que jamais teremos a oportunidade de ver novamente
 

HistóriaTraduções10 documentos antigos que jamais teremos a oportunidade de ver novamente

Élisson Amboni29 de janeiro de 20186 min

Dos textos mais sagrados de Roma a um manuscrito chinês que não teria cabido dentro de um recipiente de transporte, aqui está a nossa lista de dez documentos antigos que não existem mais:

Livros Sibilinos
Os líderes romanos consultaram esses discursos oraculares durante crises políticas por 900 anos. Os originais foram queimados em 83 AEC. Suas cópias foram supostamente destruídas por um general romano do século 5 que temia que os visigodos invasores os usassem.

Poemas de Safo
No século VI AEC, ela compôs 10 mil linhas de poesia, preenchendo nove volumes. Menos de 70 linhas completas existem. Porém, aqueles que sobreviveram fizeram a filha mais famosa de Lesbos (como o classicista Daniel Mendelsohn a chamou) uma reverenciada poeta lírica de amor erótico.

Aquileus de Esquilo
A famosa trilogia trágica do dramaturgo grego (c. 525-456 aC) é pensada ser a retrospectiva da Guerra de Tróia alinhanda-se com a democracia ateniense contemporânea. Um total estimado de mais de 80 de suas obras estão perdidos para a história. Sete peças de teatro sobrevivem.

Códices Maias
De talvez milhares de livros de pano de casca recordando a história, a cultura e a religião maia – escritos em hieróglifos desde antes do século 9 – menos de cinco textos sobrevivem. O resto foi queimado por conquistadores e monges católicos no século XVI.

Panchatantra
Esta coleção de fábulas de animais indianos, escrita desde antes do 100 AEC, é conhecida a nós devido às primeiras traduções em Pahlavi (agora perdida), sírio e árabe – a fonte em sânscrito original desapareceu. Uma tradução hebraica foi a base para uma versão popular na Europa medieval.

Avesta Zoroastrica
O livro sagrado do credo quase-monoteísta da antiga Pérsia sobrevive como uma extensa coleção de fragmentos – cerca de um quarto do texto original. Os últimos manuscritos completos podem ter sido queimados quando Alexandre, o Grande, conquistou Persepolis em 330 AEC.

Sexta Clássica de Confúcio
Ainda temos os “Cinco Clássicos” tradicionalmente atribuídos ao filósofo chinês, abrangendo poesia, retórica, ritos antigos, história e adivinhação. O sexto, sobre a música, pode ter desaparecido no século 3 AEC.

Enciclopédia Yongle
Mais de 2.000 estudiosos contribuíram para o texto de 11.000 volumes da Dinastia Ming sobre temas que vão desde agricultura até arte, teologia e ciências naturais. Metade de 800 volumes restantes foram queimados na Rebelião de Boxer em 1900; 3 por cento do texto original sobrevive.

Os tratados de Ibn Al-Haytham
O matemático, astrônomo e físico nascido no Iraque, cujo trabalho sobre a óptica (em tradução latina do árabe) e o método científico influenciou os pensadores na Europa, escreveu mais de 200 obras. Apenas 55 sobrevivem.

Livro das Crônicas dos Reis de Israel
A Bíblia hebraica refere-se a cerca de 20 obras que não existem mais. As freqüentemente citadas “Crônicas” foram uma história detalhada da Idade do Ferro da qual muitas outras narrativas bíblicas podem ter sido retiradas.

Fonte: Smithsonian