Cientistas estão prestes a provar que dois planetas extrassolares são habitáveis
 

AstrobiologiaAstronomiaCiênciaCientistas estão prestes a provar que dois planetas extrassolares são habitáveis

Redação23 de janeiro de 201888 min

Cientistas identificaram dois planetas que circulam em torno de uma estrela anã fraca como potenciais candidatos a possuírem condições habitáveis, com água e uma fonte de calor, atributos considerados necessários para a vida além da Terra.

Desde a sua descoberta no ano passado, os sete planetas e sua estrela, chamados de Trappist-1, emocionaram os astrônomos que buscam um mundo que se assemelhe à Terra. Nunca antes os cientistas encontraram tantos planetas de tamanho da Terra ao redor de uma única estrela, ou em uma zona onde as temperaturas extremas do espaço não eliminam as chances de vida.

O achado sugeriu que pode haver planetas tão rochosos e grandes quanto a Terra em toda a Via Láctea, e os cientistas rapidamente se preparam para trabalhar analisando o sistema Trappist-1.

Com colegas da Hungria, a Dr. Amy Barr, do Instituto de Ciências Planetárias (Planetary Science Institute), criou modelos matemáticos dos sete planetas e seus interiores, e descobriu que seis dos sete mundos provavelmente possuem água, líquida ou solidificada, com um possível oceano em um desses planetas. A equipe, então, modelou as órbitas dos planetas para determinar a temperatura da superfície provável deles.

“Essa é uma das principais inovações do artigo”, disse Barr ao Guardian. “Os planetas também estão em órbitas excêntricas – com uma forma oval – então, toda vez que o planeta circula pela estrela, ele é esticado e espremido”.

A lua Io, do planeta Júpiter, experimenta o mesmo tipo de “push-pull”, conhecido por calor de maré. A superfície de Io é destruída por vulcões em erupção, fluxos de lava, cicatrizes e caldeiras. Barr disse que as mesmas forças provavelmente estão em trabalho no sistema Trappist-1: “O tipo de planeta trabalha em seu próprio atrito interno, porque esse alongamento e espremer cria calor no interior”.

No artigo, definido para ser publicado na revista Astronomy & Astrophysics, a equipe concluiu que os planetas b e c (cada mundo é caracterizado por uma letra minúscula) experimentam calor de maré e esse planeta c provavelmente tem pouca ou nenhuma água, mas possui, provavelmente, ferro e pedra. Os planetas d e e – os dois identificados como mais prováveis de serem habitáveis – também experimentam calor de maré, eles descobriram, porém, muito menos calor.

Eles calcularam que esses planetas estão “neste tipo de região temperada”, disse Barr, com uma “temperatura de superfície bastante razoável”. O planeta d, estima a equipe, possui uma temperatura em torno de 15 graus celsius ou, talvez, uma temperatura tão baixa quanto um pouco mais quente do que o ponto de fusão do gelo. O planeta e era mais frio, disse Barr: “possui as temperaturas que você obteria na Antártica, mas também razoáveis”.

A probabilidade de aquecimento de maré é encorajador para os cientistas que estão atrás de planetas com as condições de vida. O calor de maré não só aquece um planeta como também impulsiona a química e o fluxo em seu manto, condições favoráveis ao desenvolvimento da vida – pelo menos como os humanos a conhecem.

Como a Nasa ainda não lançou seu telescópio espacial da próxima geração, o James Webb, cientistas como Barr e seus colegas se voltaram para computadores para investigar enigmas com dados limitados. Um artigo do ano passado descobriu que Trappist-1, embora mais velho e mais escuro do que o nosso sol, projeta um vento estelar muito mais severo do que o vento solar que atinge a Terra, do nosso sol. Este vento provavelmente eliminou a atmosfera – outra condição para a vida – dos planetas mais próximos de Trappist-1, enquanto os planetas mais distantes se saíram melhor na luta pela sobrevivência. Outra equipe investigou se os mundos Trappist-1 poderiam conter água – outra condição para a vida – e descobriu que quatro dos sete poderiam possuir.

Mas enquanto as peças de pesquisas de várias equipes se apoiaram uma na outra, Barr e outros astrônomos, astrofísicos e geofísicos estão mais ansiosos por mais observações. Caso o lançamento do James Webb seja programado este ano, ele irá fornecer muito mais dados sobre exoplanetas específicos e facilitar o desafio de escrever sobre um sistema como um todo.

“É difícil escrever um artigo sobre sete planetas ao mesmo tempo”, disse Barr.

Fonte: The Guardian