Não acredita no aquecimento global? Este aterrador vídeo da NASA fará você aceitar o fato
 

Aquecimento globalCiênciaMeteorologiaNão acredita no aquecimento global? Este aterrador vídeo da NASA fará você aceitar o fato

Redação17 de janeiro de 20182016 min

NASA divulga vídeo mostrando as consequências do aquecimento nas últimas décadas

O gelo marinho do Ártico, a vasta camada de água do mar congelada flutuando no Oceano Ártico e seus mares vizinhos, foi atingido com um duplo golpe nas últimas décadas: à medida que sua extensão se encolheu, o gelo mais antigo e mais grosso foi diluído ou derretido, deixando a calota de gelo mais vulnerável ao aquecimento do oceano e da atmosfera. A agência espacial dos Estados Unidos, a NASA, estudou a evolução do gelo do Ártico, comparando o estado do oceano em setembro de 1984 com o mesmo mês deste ano.

“O que vimos ao longo dos anos é que o gelo mais velho está desaparecendo”, disse Walt Meier, pesquisador de gelo marinho do Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Maryland, Estados Unidos. “Este gelo mais velho e mais espesso é como o baluarte do gelo marinho: um verão quente derreterá todo o gelo jovem e fino, mas não conseguirá livrar-se completamente do gelo mais velho. Mas esse gelo mais velho está ficando mais fraco porque há menos dele e o restante do gelo velho está mais quebrado e mais fino, de modo que o baluarte não é tão bom quanto costumava ser”.

“As medições diretas da espessura do gelo do mar são esporádicas e incompletas em todo o Ártico, de modo que os cientistas desenvolveram estimativas da idade do gelo do mar e acompanharam a sua evolução desde 1984 até o presente”, informou a NASA. Os resultados do estudo mostram que o gelo mais antigo desapareceu, apesar de ser mais espesso e resistente do que o novo, por causa do aumento das temperaturas no verão.

“Agora, a camada de gelo do mar é mais vulnerável ao aquecimento do oceano e da atmosfera. Agora, uma nova visualização da NASA da era do gelo do mar Ártico mostra como o gelo marinho tem crescido e encolhido, girando, derretendo no lugar e saindo do Ártico nas últimas três décadas.”, diz o comunicado da agência espacial estadunidense. A camada de gelo ao redor do Oceano Ártico e dos mares adjacentes diminuiu drasticamente nas últimas décadas, de acordo com um vídeo a seguir, divulgado pela NASA.

A animação do vídeo acima mostra a mudança anual no gelo do mar no Ártico, na extensão mínima de cada ano. O gelo mais jovem é mostrado em um cor de azul escuro, enquanto o gelo mais velho, que tem de cinco ou mais anos é mostrado em branco. Um gráfico de barras exibido no canto inferior direito quantifica a área coberta pelo gelo em cada categoria de idade, na mesma faixo do mínimo anual. Além disso, as barras de memória (mostradas em verde) retratam o valor do máximo anual para cada uma das faixa de idade do gelo (gelo mais antigo e gelo mais jovem) do Ártico, no dia da extensão mínima do gelo marinho anual, desde 1º de janeiro de 1984.

“A idade do gelo é uma boa analogia para a espessura do gelo porque, basicamente, à medida que o gelo envelhece, fica mais espesso”, disse Meier. “Isto é devido ao gelo que cresce geralmente mais no inverno do que derrete no verão.”

O comunicado da NASA informa ainda que, no início dos anos 2000, cientistas da Universidade do Colorado desenvolveram uma maneira de monitorar o movimento do gelo do mar Ártico e a evolução de sua idade usando dados de uma variedade de fontes, mas principalmente instrumentos de microondas passivas via satélite. Estes instrumentos medem a temperatura de brilho: uma medida da energia de microondas emitida pelo gelo do mar, que é influenciada pela temperatura do gelo, salinidade, textura superficial e camada de neve no topo do gelo marinho no Ártico. Cada massa de gelo flutuante no mar tem uma temperatura característica do brilho, então os pesquisadores desenvolveram uma aproximação que identificasse e seguisse blocos de gelo em imagens sucessivas da microonda passiva enquanto se moveram através do Ártico. O sistema de monitoramente também utiliza informações de bóias à deriva, bem como dados meteorológicos, de acordo com a NASA.

“É como contabilidade; estamos monitorando o gelo marinho enquanto ele se move, até que ele se derrete no lugar ou sai do Ártico “, disse Meier, que é colaborador do grupo de pesquisadores da Universidade do Colorado e do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo em Boulder (o centro que atualmente mantém os dados da idade do gelo no mar Ártico), também no estado do Colorado.

Gelo em movimento

O Comunicado da NASA informa ainda sobre o movimento e o crescimento dos dois tipos de gelo. “Todos os anos, o gelo do mar se forma no inverno e derrete no verão. O gelo marinho que sobrevive à estação de derretimento engrossa a cada ano que passa: o gelo formado recentemente cresce a cerca de 90 centrímetros a 2,10 metros de espessura durante seu primeiro ano, enquanto o gelo de vários anos (gelo marinho que sobreviveu a várias estações de derretimento, ou seja, o verão) tem cerca de 3 a 4 metros de espessura. O gelo mais velho e mais espesso é mais resistente ao derretimento e menos propenso a ser empurrado por ventos ou quebrado por ondas ou tempestades.”, diz o anúncio.

Assim, segundo o estudo, “o gelo do Ártico não só foi encolhendo sua área nos últimos anos, como também está se tornando mais jovem e mais fino”. Na vídeo abaixo, onde a cobertura de gelo quase parece gelatinosa enquanto “pulsa” através das estações do ano, o cientista criosférico da NASA, Dr. Walt Meier, descreve como o gelo do mar tem sofrido mudanças fundamentais durante os anos de medições por satélite.

“A partir de uma base de semana a semana, existem sistemas meteorológicos que se saem bem, de modo que o gelo não está se movendo em uma taxa constante: às vezes o Giro Beaufort inverte ou se divide por algumas semanas ou então, a Corrente de Deriva Transpolar se desloca em sua direção … mas o padrão geral é este”, disse Meier. “Então a estação de derretimento do verão começa e o gelo retrocede, desaparecendo dos mares periféricos.” Giro Beaufort e Corrente de Deriva Transpolar são dois padrões de circulação oceânica que dominam o Oceano Ártico. Enquanto o Giro Beaufort circula entre o Pólo Norte e a costa noroeste do Canadá e do Alasca, girando no sentido horário e promovendo o crescimento de gelo de vários anos como banquisa, a Corrente de Deriva Transpolar move água e gelo da região do Mar da Sibéria Oriental ao longo do norte da Eurásia e sobre o Pólo Norte escorrendo para o fundo do Estreito Fram entre a Groenlândia e Svalbard.

A nova animação mostra dois surtos principais de perda de gelo espesso: a primeira, a partir de 1989 e com duração de alguns anos, devido a uma mudança na Oscilação Ártica, um padrão de circulação atmosférica, que encolheu o Giro Beaufort e aumentou a Corrente de Deriva Transpolar, liberando mais gelo marinho que o habitual do Ártico. O segundo pico na perda de gelo começou em meados dos anos 2000.

“Ao contrário da década de 1980, não está liberando tanto o gelo – embora isso ainda está acontecendo também”, disse Meier. “O que mais está acontecendo agora é que o gelo velho está derretendo dentro do Oceano Ártico durante o verão. Uma das razões é que o gelo de vários anos costumava ser um bloco de gelo bastante consolidado e agora estamos vendo pedaços relativamente pequenos de gelo velho intercalados com gelo mais jovem. Essas massas flutuantes isoladas de gelo mais espesso são muito mais fáceis de derreter”.

“Perdemos a maior parte do gelo mais antigo: nos anos oitenta, o gelo de vários anos representava 20% da cobertura do gelo marinho. Agora é apenas cerca de 3 por cento “, disse Meier. “O gelo mais antigo era como a apólice de seguro do pacote de gelo do mar do Ártico: à medida que perdemos, a probabilidade de um verão em grande parte livre de gelo no Ártico aumenta”, acrescentou o pesquisador.

Créditos dos vídeos: NASA/NASA’s Scientific Visualization Studio/Cindy Starr

Fonte: NASA